Paulistas, mineiros, gaúchos, nordestinos, catarinenses e estrangeiros ajudaram a construir o Paraná

pr s mateus sul - familia grande

 

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Curitiba em um cartão postal por volta dos anos 1960.

O Paraná é conhecido como a “Terra de todas a gentes”, com altíssima produção rural e recente industrialização. Entenda como outros estados e países contribuíram muito com o crescimento regional, principalmente após o “Ciclo do Café”, no século passado.
.

Baia de Antonina no século passado.

.Os primeiros povoadores foram os portugueses, índios e africanos escravizados. E o primeiro interesse pela região surgiu no Ciclo do Ouro. Com a navegação para levar gado do Rio Grande do Sul para abastecer Minas Gerais, onde havia uma intensa mineração de ouro, surgiram as cidades portuárias de Paranaguá e Antonina..

.Depois veio o ciclo do tropeirismo, com trilhas pelo interior, também  usadas para levar gado do sul para São Paulo e Minas Gerais. Estas trilhas criaram mais cidades, como Rio Negro, Lapa, Ponta Grossa, Palmeira e Castro.

Comércio de Mate no Sul do Paraná.

.No século XIX veio o Ciclo da Erva Mate. Foi quando o Paraná ganhou mais importância e deixou de ser comarca de São Paulo, no ano de 1853. Nesta época cresceu a a navegação pelos rios, a construção de ferrovias e de estradas de terra..

Comércio de madeira na cidade da Lapa, Paraná.

.A seguir veio o ciclo da madeira. As florestas começaram a ser derrubadas para a venda dos troncos. Esse novo ciclo atraiu os ingleses, que organizaram o povoamento das novas áreas desmatadas. Vieram milhares de agricultores da Itália, Alemanha, Polônia, Ucrânia, Suíça, Rússia e Japão..

.

Trabalhadores em uma cafezal de Rolândia, Paraná.

O ciclo seguinte foi o do café, no século passado, em toda a região norte do Paraná. Este ciclo provocou uma grande onda de migração interna, atraindo paulistas, mineiros, catarinenses, nordestinos, e ainda mais estrangeiros. Foi que levou o Norte do Paraná a ser povoado e progredir. Nos anos 1960 o café dominava a economia, atingindo 60% do valor produção rural paranaense. E só perdeu importância a partir das grandes geadas, nos anos 1970..

No oeste e sudoeste do Paraná, a migração foi de gaúchos. Foram eles que trouxeram o plantio da soja. Cresceu também a produção de trigo. Os catarinenses das cidades do interior também vieram em grande número, a partir dos anos 1950. Eles buscavam empregos e melhores condições de educação e saúde..

Antiga Fazenda Cancela na colônia alemã de Witmarsum no Paraná.

A criação das cooperativas, na tradição associativista dos imigrantes europeus, foi fundamental para a transformação do Paraná em uma potencia agroindustrial..

Mas foi só nos anos 1970 que o estado começou a se industrializar. A primeira fase foi na agroindústria, com as cooperativas que aproveitavam a produção rural. E progressivamente foram sendo instaladas fábricas de grande porte em áreas de material elétrico, comunicações, automobilística e refinarias de petróleo, na região metropolitana de Curitiba..

.É importante lembrar que o paraná que existe hoje foi construído ao longo do tempo, com muito trabalho dos antepassados, e de muitos outros povos. E por isso o Paraná é conhecido como “A Terra de todas as gentes”..

Conheça o grupo “Memória Paranaense” no Facebook: clique aqui e depois clique em “participar do grupo”.  Veja os grupos de memória cidades paranaenses..

Clique aqui para ver outros destaques desta coluna.

Entre em contato com José Wille.