RB| Economia

Prefeita de Pinhais, Marli Paulino, Presidente da Apras, Joanir Zonta, e gov do PR, Beto Richa abrindo a Mercosuper 2017

Zonta abre MERCOSUPER 2017 pedindo urgência na aprovação das reformas trabalhista e previdenciária.

Para o presidente da APRAS, a aprovação das reformas será vital para a retomada da economia brasileira.

Presidente da Apras, Pedro Joanir Zonta, na abertura da Mercosuper 2017

Durante a abertura da MERCOSUPER 2017, o presidente da APRAS, Pedro Joanir Zonta, discursou para os presentes sobre as perspectivas para o setor supermercadista e destacou a importância que a aprovação das reformas trabalhista e previdenciária tem para a retomada da economia.

O presidente demonstrou muito otimismo com relação à recuperação econômica e sugeriu atenção e cuidado aos empresários, para que não deixem passar as oportunidades que vão surgir.

“No passado, tivemos crises que duraram de dois a cinco anos, mas depois houve crescimento e muitas empresas não estavam preparadas para isso. As que se prepararam, mantiveram seu crescimento bem superior aos demais. Por isso, digo que é preciso acreditar que a economia vai voltar a crescer. Portanto, preparem-se!”.

Ainda neste ano, já será possível ver os sinais desta recuperação que virão primeiramente com os saques do fundo de garantia.

“As pessoas vão utilizar estes recursos para compras ou para quitar dívidas. Isso deve dar uma injeção na economia e vai alavancar o varejo”, afirma Zonta.

Para o setor supermercadista, estes recursos serão ainda mais importantes, já que se trata de um segmento que realiza cerca de 40 milhões de atendimentos aos clientes por mês no Paraná e registra um faturamento de aproximadamente R$ 21,5 bilhões por ano.

Prefeita de Pinhais, Marli Paulino, Presidente da Apras, Joanir Zonta, e gov do PR, Beto Richa abrindo a Mercosuper 2017

Apesar dos recursos do fundo de garantia contribuir com a economia, o presidente da entidade diz que para o Brasil voltar a crescer as reformas trabalhista e previdenciária precisam ser aprovadas.

Para ele, um dos principais problemas na previdência são as dicotomias entre as aposentadorias da iniciativa privada e pública.

“Um trabalhador aposentado recebe, em média, 18% do que recebe um aposentado público, o que significa que a cada aposentado do setor público poderíamos aposentar quase seis do setor privado”.

Ainda segundo Zonta, a contribuição previdenciária do servidor público se limita a 11% da sua renda, já o da iniciativa privada acaba pagando 11% do teto, mas a empresa recolhe outros 22%.

“Além disso, o setor público acaba apresentando outros pontos negativos devido à alta burocracia, à legislação tributária confusa e à corrupção”, acrescenta.

Com relação à reforma trabalhista, o presidente esclarece que ela se trata de uma modernização nas leis, já que a CLT é de 1943.

“Além de a legislação ficar parada em um tempo que não representa mais os dias atuais, ela também acabou ganhando vários penduricalhos, que acabam gerando interpretação divergente e diversas disputas judiciais”.

No Brasil, existem cerca de 2 milhões de novos processos por ano, sendo o campeão mundial em ações trabalhistas.

Como nenhum direito do trabalhador é extinto, a reforma acaba sendo uma maneira de proporcionar um maior diálogo entre os empresários e os trabalhadores, trazendo mais flexibilidade nas negociações.

Além das reformas trabalhista e previdenciária, o Brasil necessita urgente de uma reforma política, que segundo o presidente ainda é uma utopia e deve demorar em acontecer.

“Os políticos que ditam as regras para o nosso país atualmente ainda não pensam nisso, pois eles olham, pensam e desejam vantagens para si próprios. O pior é que temos uma justiça morosa quando se trata de assuntos que envolvem políticos, mas vemos o contrário quando se trata de pessoas físicas e de empresas”.

Mesmo não acreditando em uma reforma política imediata, Zonta acredita que as demais reformas devem abrir o caminho para ela.

“Precisamos acreditar em nosso país e no povo brasileiro, pois somos conhecidos por nunca desistir. Então, vamos à luta, vamos nos unir e vamos ser também os agentes e construtores do nosso país”, finaliza.

MERCOSUPER 2017

A Feira segue até amanhã, no Expotrade Convention Center, em Pinhais, e tem como objetivo apresentar as últimas tendências em produtos, serviços e tecnologias para os supermercadistas e varejistas do setor alimentício.

O evento deve atingir um crescimento de 35% no tamanho e na quantidade de visitantes em relação à edição de 2016.

O fluxo de visitas nos três dias de feira será de aproximadamente 45 mil e vai reunir cerca de 190 expositores, entre fornecedores de diversos estados e empresas do MERCOSUL, que devem realizar R$ 520 milhões em negócios durante a feira.