Londrina registra ‘maior desastre natural do ano’ com ventos de 146 km/h

Foto: Reprodução / Facebook
Foto: Reprodução / Facebook

A tempestade que atingiu Londrina, no Norte do Paraná, na tarde de segunda-feira (20) é apontada pela Defesa Civil como o “maior desastre natural registrado no ano”. Segundo o órgão, a velocidade dos ventos alcançou 146 km/h e derrubou mais de 140 árvores em vários bairros da cidade.

> Após calor, Paraná tem previsão chuva forte e granizo

As equipes da Defesa Civil, Corpo de Bombeiros e diversas secretarias municipais trabalharam até às 2h da manhã desta terça-feira (21) no atendimento de vias públicas interditadas e em casos em que risco de vida iminente. As ações foram retomadas por volta das 7h.

O coordenador-adjunto da Defesa Civil em Londrina, Demerval Anderson do Carmo, afirmou que até a manhã de hoje (21) foram 141 notificações de quedas de árvores na área urbana do município. Também foram registrados destelhamentos em oito imóveis, e sete pontos de alagamentos em vias como avenidas Dez de Dezembro, Duque de Caxias, Higienópolis, Paul Harris, entre outras.

Carmo apontou que o procedimento adotado pela Defesa Civil, que atuou com auxílio de voluntários, da Guarda Municipal e do Corpo de Bombeiros, permitiu que os moradores de áreas atingidas fossem atendidos com rapidez.

“Fizemos um trabalho diferente, em que as viaturas da Guarda Municipal saíram da base da Defesa Civil abastecidas com lonas para que, durante o patrulhamento e rondas, pudessem atender as residências que precisassem desses materiais. Enquanto isso, a Defesa Civil realizou corte de árvores para desobstrução de vias. Foi a maneira que encontramos para, em um primeiro momento, otimizar o trabalho”, afirmou o coordenador.

A Secretaria Municipal do Ambiente (SEMA) informou que o Parque Municipal Arthur Thomas foi interditado para visitação pública, devido à ação das chuvas e quedas de árvores dentro da área de preservação e pistas de caminhada. Não há previsão para o parque ser reaberto.

Há também registros de estabelecimentos públicos que foram prejudicados. A Secretaria Municipal de Educação (SME) identificou queda de árvores nas escolas municipais da Vila Brasil, Miguel Bespalhok e San Izidro, e no Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Rosângela Romano. Nas escolas Mábio Gonçalves Palhano, Maestro Andrea Nuzzi, Maria Irene Vicentini Theodoro e Maria Carmelita Vilela Magalhães foram registrados alagamentos. Houve queda do portão de acesso da Escola Municipal Joaquim Pereira, no CMEI Iracema ocorreu queda do toldo com alagamento em alguns pontos, e na escola Suely Ideriha telhas da cozinha quebraram.