Aeroporto de Maringá registra queda no movimento

Foto: Divulgação SAC-PR
Por Rosângela Gris, do Metro Maringá

O número de passageiros que passou pelo Aeroporto Regional Silvio Name Júnior, em Maringá, no noroeste do estado, no primeiro semestre de 2017 apresentou uma queda de 15,2% em relação ao mesmo período de 2016.

Segundo dados da Central de Operações do aeroporto, 317.324 pessoas utilizaram o terminal para fazer viagens entre janeiro e junho deste ano, sendo 158.463 para embarques e 158.879 para desembarques. Nos primeiros seis meses do ano passado 187.307 pessoas embarcaram e 187.046 desembarcaram no aeroporto maringaense, somando 374.351 passageiros.

O superintendente do aeroporto, Fernando Rezende, atribui a queda de passageiros, ao menos em parte, as medidas de reestruturação e cortes de custos adotadas pelas companhias aéreas. “Em abril do ano passado, a Gol cancelou os voos para Campo Grande e reduziu a oferta para Curitiba, Guarulhos e Congonhas. Já a Azul reduziu a oferta de assentos com a substituição de aeronaves de 120 lugares para 72. Ou seja, a oferta de voos foi reduzida em 26% aproximadamente”, calcula o superintendente.

Outro fator relevante, na opinião de Rezende, é a redução da atividade econômica no país. “Isso afeta o valor das passagens sem dúvida e consequentemente na movimentação de passageiros”, diz, referindo-se a alta nos preços.

O superintendente, no entanto, aposta em uma recuperação do setor. “Nos dois últimos meses já houve uma melhora”, comemora. Em junho, pela primeira vez neste ano, a soma de embarques e desembarques superou a de 2016 no comparativo entre os meses iguais.

No mês passado, 52.543 passaram pelo terminal, ante as 49.064 que circularam por lá em junho do ano passado. Hoje são entre 20 e 22 operações regulares diárias “Esperamos retomar alguns voos no segundo semestre”, adianta o superintendente.

Cargas

Enquanto a movimentação de passageiros caiu, a de cargas aumentou 7,2% no primeiro semestre em relação ao período igual de 2016.

Entre janeiro e junho deste ano, o embarque e desembarque de cargas movimentou 451.960 quilos, ante os 421.530 movimentados nos seis primeiros meses do ano passado. “Esse setor tem se mostrado crescente e acredito que seja principalmente pelo aquecimento da economia. Temos trabalhado para retomar os voos internacionais. A retomada estava marcada para junho, mas foi adiado para o segundo semestre”.