Cerca de 270 motoristas perdem a habilitação por dia no Paraná

Foto: Juliano Pedrozo/Detran
Foto: Juliano Pedrozo/Detran

Nos primeiros dois meses de 2017, o Departamento de Trânsito do Estado já enviou 16 mil avisos de suspensão de direito de dirigir para motoristas paranaenses. O aumento é de 36% na comparação com o mesmo período do ano passado, quando foram 11,8 mil notificações.

O número representa que, em média, todos os dias cerca de 270 motoristas do Paraná perdem o direito de dirigir por cometer infrações de trânsito. “A suspensão é uma medida punitiva e deve ser cumprida. O tempo só começa a contar depois que a CNH é entregue em uma das unidades do Detran e, além de não dirigir, é preciso passar pelo curso de reciclagem para motoristas infratores. Se for flagrado descumprindo a suspensão, a CNH é cassada e é preciso passar por todo processo de habilitação novamente, refazendo todos os exames”, diz o diretor-geral do Detran, Marcos Traad.

“A multa neste caso é gravíssima, multiplicada por 3, somando R$ 880,41. O condutor tem a CNH retida, 7 pontos na habilitação e tem o veículo retido”, acrescenta ele.

Com a nova lei de trânsito, a suspensão passou de um para seis meses.

Maioria homens

Do total de motoristas suspensos nesse ano, 11 mil são homens e 4 mil mulheres. Os condutores com mais de 50 anos são os que mais têm registro de suspensão: 4.124 notificações.

Suspensão direta

Além da somatória de 20 pontos, por cometimento de várias infrações, é comum a chamada suspensão direta do direito de dirigir – devido infrações únicas e gravíssimas como dirigir sob efeito de álcool ou outras substâncias psicoativas; promover ou participar de competição, exibição, demonstração de perícia; disputar corrida em vias públicas; efetuar manobras perigosas, arrancadas, derrapagem ou frenagem e forçar passagem entre veículos que estejam ultrapassando.

Defesa

Após ser notificado, o condutor pode apresentar defesa prévia e, senão concordar com o resultado, também pode ir para a Junta Administrativa de Recursos de Infrações (Jari) e ainda em última instância ao Conselho Estadual de Trânsito (Cetran).