Força-tarefa vai fiscalizar festas em chácaras

Foto: André Renato/Prefeitura de Maringá
Repórter Eduardo Xavier do Metro Maringá

O Conselho Tutelar vai debater com a Polícia Militar e outros órgãos de segurança a necessidade da criação de uma força-tarefa em Maringá, no noroeste do estado, para fiscalizar festas em chácaras com cobrança de ingresso.

Fechar o cerco a este tipo de evento veio à tona depois que uma adolescente de 17 anos foi socorrida em uma propriedade na zona norte com suspeita de overdose e de quatro jovens serem detidos por furtarem um carro do Corpo de Bombeiros que estava no local para fazer o atendimento à menina que foi encontrada inconsciente.

Outra ação é um pedido do Conselho Tutelar à Vara da Infância e Juventude para que seja proibida a entrada de menores de 18 anos em casas noturnas. Representantes do órgão, da PM, Corpo de Bombeiros, Conseg (Conselho Comunitário de Segurança) e da prefeitura vão se reunir o próximo dia 10, no 4º Batalhão de PM, para discutir o reforço à fiscalização aos eventos. “Há situações em que o Conselho Tutelar não vai ao evento porque não consegue o apoio da PM que tem falta de efetivo”, disse o conselheiro Carlos Bonfim.

De acordo com o conselheiro, a chácara na Estrada Guaiapó tem autorização para locação, mas os organizadores do evento não tinham licença para o evento. “Hoje, só existe uma chácara em Maringá que possui alvará para fazer eventos com cobrança de ingressos”, disse.

Nas redes sociais, a festa anunciava o comércio de ingressos de R$ 15 a R$ 45 e open bar com vários tipos de bebidas alcoólicas. Participante relataram o consumo e venda de drogas na festa. A adolescente estava até ontem internada no HU (Hospital Universitário) e o caso será encaminhado ao Ministério Público pelo Conselho Tutelar e o responsável pelo evento ouvido pela Polícia Civil.

Rodolfo Aparecido da Silva, 26 anos, que já contava com antecedentes criminais, está preso e vai responder pelos crimes de furto, danos ao patrimônio público e por dirigir sem CHN (Carteira Nacional de Habilitação) e gerar perigo de dano. Segundo a polícia, ele bateu o veículo do Corpo de Bombeiros em um poste a cerca de 1 km da festa. O setor de comunicação social do 4º Batalhão de PM não deu retorno à reportagem sofre a falta de efetivo citada pelo Conselho Tutelar para acompanhar conselheiros em eventos realizados em chácaras com cobrança de ingresso.