Ainda sem causa da infecção, dois idosos seguem internados após vacina contra gripe

infecção vacina gripe
Do Metro Curitiba

Dos quatro idosos que registraram infecção bacteriana depois da aplicação da vacina contra a gripe em Curitiba, duas já receberam alta e outros dois permanecem internados, segundo a Secretaria Municipal de Saúde.

Um deles apresenta um quadro melhor, mas uma paciente segue em estado grave.

Todos eles foram vacinados no dia 27 do mês passado na unidade de saúde Medianeira, no oeste do Paraná. Desde o último dia 5, o posto que fica na Av. Anita Garibaldi está fechado.

A secretaria afirma desde à época que o problema não está na vacina – até pela coincidência dos casos –, mas ainda não tem uma resposta sobre a causa do problema. “Os resultados dos exames laboratoriais ainda são parciais e não permitem chegar a um conclusão de todos os fatores que levaram às reações à vacina […] Os trabalhos preliminares, porém, confirmaram a segurança das vacinas aplicadas. As vacinas são produzidas com vírus morto e fragmentado. Os pacientes que sofreram reação tiveram uma infecção bacteriana”, dizem trechos de nota.

De acordo com a prefeitura, os resultados dos exames fazem parte da investigação que está sendo realizada por uma comissão da Secretaria Municipal da Saúde. Só após os resultados do trabalho desta comissão é que a secretaria vai se pronunciar com explicações oficiais sobre o caso.

Segundo as autoridades de saúde, a vacina contra a gripe é segura e só é contraindicada para pessoas com histórico de reação prévia ou alergia severa ao ovo de galinha e seus derivados.

Campanha

A campanha de vacinação contra a gripe segue até a próxima sexta-feira (26) em todos as 110 unidades de saúde da cidade (exceto a Medianeira), de segunda a sexta, das 7h às 19h. Até ontem 325 mil pessoas haviam sido imunizadas na capital, cerca de dois terços do público-alvo de 500 mil pessoas – a meta é vacinar 90% delas. Fazem parte da campanha crianças de seis meses a cinco anos incompletos, gestantes, puérperas, trabalhadores da saúde, professores, idosos, indígenas e portadores de doenças crônicas.