Júri popular condena acusados de matar procurador

BandNewsCuritiba

Quatro homens acusados pela morte do procurador Algacir Teixeira de Lima, em Chopinzinho, no sudoeste do Paraná, foram condenados. O júri popular realizado em Guarapuava começou na segunda-feira (4) e terminou às nove da noite de terça (05). O crime ocorreu em 2015.

Segundo o Ministério Público do Paraná, o ex-prefeito Leomar Bolzani teria encomendado o assassinato do procurador, que vinha fazendo denúncias de irregularidades na prefeitura.

Lima foi morto a tiros quando chegava em casa. As investigações apontam que Bolzani combinou o pagamento de R$ 6,5 mil pela morte do procurador. Ao todo, sete pessoas são acusadas pelo crime.

Entre os quatro condenados nesta semana está Darci Lopes de Aquino que confessou ter atirado contra Lima. Ele foi condenado a 16 anos e seis meses em regime fechado.

Outros dois homens foram condenados por ajudar na fuga do assassino. João Rosa do Nascimento deve cumprir 15 anos em regime fechado e Jeferson Rosa do Nascimento recebeu pena de 10 anos em regime semiaberto.

O ex-assessor de Bolzani, Giovane Baldissera, foi condenado a 20 anos em regime fechado, acusado de ter encomendado o crime ao lado do ex-prefeito. Leomar Bolzani também deve ir a júri popular, que ainda não tem data definida para ocorrer.

Desde 2015, ele cumpre prisão em regime domiciliar. Outras duas pessoas acusadas de envolvimento no caso cumprem pena desde julho de 2016. Elvi Aparecida Haag Ferreira e o marido dela Nilton Ferreira foram condenados a 15 anos de prisão por homicídio qualificado. O casal teria contratado Darci Lopes de Aquino para matar o procurador.