Motoristas, bancários, professores: quem vai parar na greve desta quarta-feira

Foto: Joka Madruga/
APP-Sindicato

Diversas categorias de trabalhadores do Paraná confirmaram adesão ao Dia Nacional de Paralisação, marcado para esta quarta-feira, 15 de março, em protesto contra as propostas de Reforma de Previdência, e Reforma Trabalhista. A data, que marca o início da greve geral dos trabalhadores da educação acabou encorporada por bancários, motoristas e cobradores de ônibus e metalúrgicos entre outras classes de trabalhadores.

Na educação, os professores da rede estadual aproveitarão a data para aumentar a pressão para que o governo do estado volte atrás na decisão de reduzir a hora-atividade (percentual da jornada de trabalho realizada fora de sala de aula) da categoria. Na rede municipal, a previsão do Sindicato dos Servidores do Magistério Municipal de Curitiba (Sismmac) é de que 80% dos professores e educadores cruzem os braços na greve que começa na quarta-feira e tem duração indeterminada. Eles exigem a implementação de um plano de carreira, novas contratações e melhores condições de trabalho.

Motoristas e cobradores de ônibus também podem estender a greve para além da quarta-feira. Com as negociações do reajuste salarial com emperradas junto às empresas, o Sindicato dos Motoristas e Cobradores de ônibus da Região de Curitiba (Sindimoc) promete adesão total à greve que “apenas se inicia neste dia 15”.

Servidores estaduais da saúde ligados ao SindSaúde também prometem parar nesta quarta-feira, assim como os matalúrgicos, bancários, servidores do Judiciário e garis. Não há, no entanto, previsão do tamanho da adesão destas categorias. O Sindicato dos Agente Penitenciários do Paraná informa que a categoria realizará uma operação padrão durante toda a quarta-feira, com a aplicação integral das normas de segurança impostas pelo próprio Departamento Penitenciário do Paraná, que, segundo o sindicato, por falta de efetivo, são negligenciadas para que se cumpra com todas as atividades do sistema prisional.

Atos no centro de Curitiba

O Dina Nacional de Paralisação será marcado por uma série de atos em todo o país. Em Curitiba, a concentração está marcada para as 9h, na Praça Santos Andrade e na Praça 19 de Dezembro. De lá, os trabalhadores sairão em marcha para o Palácio Iguaçu. Há, ainda categorias chamando para mobilizações na Praça Carlos Gomes e na Praça Tiradentes. Às 10h também está prevista a realização de uma audiência pública no Plenarinho da Assembleia Legislativa para debater a reforma da previdência.

Outras cidades:

Paranaguá

Metalúrgicos e os trabalhadores da estiva, ensacadores e da amarração, do porto de Paranaguá, paralisarão as atividades e farão um grande ato na entrada da cidade, à partir das 7.

Londrina

Metalúrgicos, químicos, servidores públicos e trabalhadores do transporte coletivo também farão paralisação das atividades. A ideia é fazer uma caminhada no centro da cidade (ainda não definido)

Maringá

Metalúrgicos, sindicatos do obreiros e trabalhadores do transporte coletivo paralisaram as atividades e farão uma grande concentração no principal terminal urbano e metropolitano da cidade.

Pato Branco

Metalúrgicos e servidores públicos farão uma grande manifestação em frente ao prédio do INSS  – Rua Tapajós, 520 – centro (horário á definir)