Operação Pecúlio completa um ano com 149 réus

Foto: divulgação/Prefeitura Foz do Iguaçu
Foto: divulgação/Prefeitura Foz do Iguaçu
Da BandNews Curitiba

A operação Pecúlio, deflagrada há um ano, contabiliza 149 réus em duas ações penais na Justiça Federal, sendo que 34 deles são citados nas duas ações. Os suspeitos são investigados por participação em um esquema de corrupção e fraude em licitações nas áreas de obras e de saúde em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná.

A investigação da Polícia Federal (PF) estima que os prejuízos com os desvios de recursos públicos passem de R$ 30 milhões. Além de empresários, secretários, diretores e demais servidores do Executivo local, o esquema também funcionava na Câmara Municipal do município. Na quinta fase da Operação Pecúlio, foram presos 12 dos 15 vereadores da cidade.

O procurador da República, Alexandre Halfen, explica que o grupo recebia uma espécie de ‘mensalinho’ em troca de apoio político.

“Os vereadores eram “premiados” com R$ 5 mil mais uma diretoria na prefeitura. Tudo isso para que houvesse apoio político. Alguns vereadores de oposição fizessem o que chamamos de oposição mitigada, não muito aguerrida contra o governo”, afirmou.

Os vereadores defendiam projetos de interesse do então prefeito Reni Pereira (PSB), apontado como o líder da organização criminosa instalada na administração da cidade – ele nega as acusações. Pereira cumpriu prisão domiciliar por pouco mais de três meses.

Do total de presos, 12 assinaram acordos de colaboração premiada com a Justiça. Nas delações, eles revelaram como funcionava o esquema de propinas, acertos e vantagens indevidas na prefeitura.

Operação Pecúlio

A Operação Pecúlio foi deflagrada no dia 19 de abril de 2016. A investigação tem mostrado que servidores públicos de várias secretarias municipais, diretores, agentes políticos, ex-secretários e empresários tinham um esquema montado para desviar dinheiro por meio de fraudes em licitações. A estimativa da Controladoria-Geral da União é de que cerca de R$ 5 milhões foram desviados dos cofres públicos.

(Edição: Andreza Rossini)