Paraná quer ampliar controle meteorológico com compra de novos radares

Foto: Orlando Kissner/ Fotos Públicas
Foto: Orlando Kissner/ Fotos Públicas
Com Rosangela Gris | Metro Jornal Maringá

O governo do Paraná pretende ampliar o monitoramento hidrometeorológico no estado com a aquisição de quatro novos radares que permitem identificar as tempestades severas e medir a quantidade de chuvas. Um deles será instalado em Maringá e os demais na Região Metropolitana de Curitiba, litoral e Londrina, no norte do estado.

“Temos radares de longo alcance já instalados em Teixeira Soares e Cascavel, mas observamos a necessidade de instalar radares em outros polos do estado. Maringá foi escolhida por sofrer de maneira constante com chuvas de granizo e vendavais”, explica o chefe da Casa Militar e coordenador estadual da Defesa Civil, Coronel Adilson Castilho Casitas.

Os novos equipamentos modelo Banda X, de fabricação japonesa, terão alcance de 80 quilômetros e ajudarão a monitorar a região próxima das cidades. Em Maringá, o radar deve ser instalado no aeroporto.

Capturar

Foto: Divulgação

Doado pelo Japão ao Paraná, o primeiro equipamento será instalado até o final de março na região de Curitiba sem custo para o governo. Os outros três radares ainda serão licitados e não têm previsão de quando serão implantados.

Responsável pela licitação, o Instituto Meteorológico do Paraná (Simepar) trabalha na elaboração do termo de referência para o lançamento do edital. O governo vai investir R$ 16 milhões na compra dos equipamentos.

O investimento na área de monitoramento hidrometeorológico é um dos principais focos do programa de Fortalecimento e Gestão de Risco de Desastres, criado em 2011 após o litoral paranaense ser atingido por fortes chuvas. Desde então, foram investidos R$ 25 milhões na área e outros R$ 44 milhões serão destinados até o final de 2017 para a modernização da infraestrutura de monitoramento e previsão hidrometeorológica, mapeamento das áreas de risco, obras de infraestrutura e desenvolvimento de sistemas de gestão e redução dos riscos de desastres.