Paraná registra 453 denúncias de violência contra idosos somente neste ano

idosos
Da CBN Curitiba

O Paraná registrou 453 denúncias de violência contra idosos, somente entre janeiro e junho deste ano. A enorme quantidade de casos reacende o alerta no Dia de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa, lembrado nesta quinta-feira, dia 15 de junho.

Dados apresentados pelo governo do Estado apontam que as denúncias estão relacionadas principalmente com agressão física, apropriação indébita, abandono, negligência, abusos econômico-financeiros, abusos psicológicos, maus-tratos, violência institucional e cárcere privado.

A procuradora de Justiça Rosana Beraldi Bevervanço, da área de defesa dos direitos do idoso, afirma que houve um aumento no número de casos que chegam até o Ministério Público do Paraná.

“Quando eu falo em violência é no sentido genérico, tanto de violência física, como de abuso financeiro, negligência, maus-tratos, violência psicológica, enfim. Então nós temos percebido um aumento no Ministério Público de demanda em relação a essas situações”, explica.

Os idosos, muitas vezes em uma situação frágil, não têm coragem para denunciar os casos de violência que sofrem. Por isto, toda a sociedade deve estar atenta ao problema, segundo a procuradora.

“Naturalmente que o idoso é uma vítima mais silenciosa, porque muitas vezes o agressor é o único vínculo afetivo que ele tem. Então ele acaba sofrendo calado, imaginando que nas providências a primeira coisa que a autoridade vai fazer é prender seu filho ou neto. Quando a ideia é superar o problema, a mudança de comportamento do familiar para que aquela família tenha uma pacificação e o idoso se sinta melhor”, ressalta.

 

Seminário

Durante o Seminário de Enfrentamento à Violência contra a Pessoa Idosa, realizado em Curitiba na última terça-feira, o secretário de Segurança Pública, Wagner Mesquita, destacou a complexidade dos casos envolvendo idosos.

“Não existe uma regra fixa, cada caso tem que ser estudado. Porque é dentro do seio de uma família. O que a família quer, muitas vezes, não é só a penalidade de um agressor, mas um tratamento. Então tem que se adequar o código de processo penal a necessidade daquele delito, daquela família especificamente”, destaca.

A procuradora Rosana Beraldi Bevervanço afirma que é muito importante a criação de uma delegacia especializada para apurar as denúncias de violência contra idosos. De acordo com ela, este pedido é feito pelo Ministério Público ao governo estadual há 10 anos. Atualmente, este tipo de caso é atendido pelo setor de vulneráveis da Divisão de Homicídios e Proteção a Pessoa de Curitiba.

“Há um atendimento digamos assim inicial dentro de uma delegacia que não é especializada e que abrange um território delimitado. O que nós precisamos é uma delegacia especializada, ao menos na capital, que forme e que de corpo a uma investigação própria, especializada, com profissionais treinados”, aponta.

A Polícia Civil, por meio de assessoria de imprensa, informou que o atendimento diferenciado aos idosos também acontece no 1º Distrito Policial, no centro de Curitiba. Ainda de acordo com a Polícia Civil, todas as delegacias da cidade estão aptas para receber os idosos.

 

Denúncias

Os casos de violência contra esta parcela da população podem ser denunciados pelo telefone 181, pelo Disque 100, na DHPP e também ao Ministério Público.