Projeto tenta proibir de vez a permanência de presos em delegacias

Foto: Divulgação Polícia Civil
Foto: Divulgação Polícia Civil
Por Ana Krüger – CBN Curitiba

Após seguir a carreira policial durante quase quarenta anos, o delegado Rubens Recalcatti, atual deputado estadual, tenta no Legislativo, solucionar o problema que se arrasta há décadas.

O projeto de lei proíbe a custódia em Delegacias de pessoa condenada, presa temporariamente, submetida à medida de segurança ou egressa do sistema penitenciário. De acordo com o deputado, hoje as delegacias abrigam em torno de 9 mil detentos.

“Um problema gravíssimo que é esse das delegacias de polícia e nós sempre tentamos resolver de uma maneira ou de outra. Apresentei esse projeto com o intuito de tentar evitar os problemas nas delegacias, porque é lá que se dá os problemas. Então nossa ideia é tentar resolver esse problema que se vem de décadas. Até para facilitar, liberar o escrivão ou o investigador para fazer o trabalho de polícia, que é a investigação”, explica.

A proposta estabelece a permanência de presos em delegacias apenas pelo período necessário para o registro da prisão em flagrante, por exemplo. Também estabelece que a escolta dos custodiados em deslocamento passe a ser função exclusiva da Polícia Militar, já que hoje a tarefa é realizada também por policiais civis e agentes penitenciários.

“Nesses casos, evidentemente, que quando o preso for autuado ou ele for preso por um mandado de prisão, ele vai ficar na delegacia pelo período necessário, para fazer o processo burocrático e após isso ele seria levado para uma cadeia”, esclarece.

O projeto foi apresentado no início da semana e ainda deve passar pelas comissões temáticas antes de ir à Plenário.