Governo explica medidas que Governo enviou à Alep

ROMANELLI

Não tem conversa fiada. O pacote de medidas do governador Beto Richa, encaminhado à Assembleia Legislativa foi devidamente estudado e discutido. Pelo menos é o que afirma o deputado Luiz Cláudio Romanelli, que defende as ações do governo no legislativo. “São medidas que foram estudadas analisadas, debatidas, discutidas, sempre no sentido de racionalizar o uso do dinheiro público e, ao mesmo tempo, em algumas questões bem pontuais como no caso dos policiais militares e outras carreiras, para  estimular a permanência nas carreiras sem a retirada de direito e estimulando a permanência no serviço ativo. No caso dos policiais militares que já tem direito à aposentadoria, quem permanecer na ativa receberá abono de permanência em dobro”, explicou o líder do governo. O líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB), defendeu nesta segunda-feira (7), os projetos de lei encaminhados pelo governo do Estado que dão continuidade ao programa de ajuste fiscal.

Além disso, explica o líder do governo, o Executivo introduz uma inovação, que é a instituição de pagamento de diária por atividade extrajornada, que possibilitará o aproveitamento de servidores que estejam em horário de folga. “A medida permite melhor aproveitamento de pessoal e desestimula a realização de atividades paralelas. Os policiais não terão mais que fazer “bicos”. Eles poderão exercer atividades na administração pública, recebendo a mais para isso”, diz

De acordo com Romanelli, outra medida muito importante que é a dos policiais que já saíram da corporação e são inativos há mais de dois anos, podem, voluntariamente, voltar a trabalhar. “A ideia é liberar um grande número de policiais que são hoje importantes na corporação. E esses policiais inativos que têm experiência integrarão a Polícia Militar novamente para serviços administrativos. Estamos criando um mecanismo que é reivindicado pelos praças da PM e fará com que tenhamos mais policiais na rua”, explicou.

Para o líder do governo, o conjunto das medidas tem vários impactos. “A expectativa é que tenhamos uma redução global próximo a R$ 200 milhões de despesas até 2018”, afirmou.