Lula em Curitiba por livre e espontânea vontade da Justiça

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

 

Se Lula é inocente e o homem mais honesto do mundo, como diz, por que, então, o chamamento da militância petista, dos movimentos independentes, como MST, e até mesmo dos covardes mascarados para comparecerem em Curitiba nesta quarta-feira? Quem não deve, não teme, diz o dito popular. Como o próprio juiz federal Sérgio Moro disse, em vídeo divulgado nas redes sociais, que não há motivo para concentração, pois trata-se de apenas um interrogatório normal em processos de denúncias.

Na operação terra arrasada, ou Lava Jato, ou em qualquer outra que procure descobrir atos ilícitos praticados com dinheiro público, dinheiro do cidadão, da falida Previdência, não deveriam ter movimentos de pressão, como este que ameaça a tranquilidade dos moradores do entorno da Justiça Federal em Curitiba. Pelo contrário, a voz, nestes casos, deveria ser única contra corruptos, corruptores e políticos que usam de suas influências no Congresso Nacional ou nas assembleias legislativas para tirar proveito próprio com vistas aos enriquecimento.

Lula, como todos sabem, é réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, no caso do tríplex do Guarujá. Lula apenas estará frente a frente com o juiz Sérgio Moro para responder perguntas. Como o próprio ex-presidente disse, ironicamente, na semana passada, que se alguém for a uma loja de sapato, experimentar um par, não gostar e não levar, não significa que é dono do sapato. Tem razão, ao se referir ao tríplex do Guarujá ou mesmo ao sítio de Atibaia.

A nosso ver, neste caso, Lula teria ido a uma loja de roupas, experimentado uma calça, mandou fazer a barra e depois não quis mais. Todas as evidências apontam para reformas no apartamento e no sítio a pedido de membros de sua família e com ordens diretas dos poderosos chefões do cartel de empreiteiras.

O próprio Emílio Odebrecht, em seu depoimento como delação premiada, revelou fatos que incriminam Lula no exercício da Presidência da República. Leo Pinheiro, da OAS, também incriminou o ex-presidente, afirmando que sua empresa realizou obras no “apartamento do Lula”.

Depoimento de Lula

Diante de denúncias e fatos, Lula estará nesta quarta-feira em Curitiba onde, também, haverão grupos contrários às suas ações. Esses movimentos, que começaram com o pedido de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, tem uma intenção: colaborar com a Operação Lava Jato na tentativa de passar Brasil a limpo e diminuir a corrupção que corrói o dinheiro que deveria ser canalizado para áreas críticas como saúde, educação e segurança pública.

O que vemos são, portanto, lideranças de movimentos sindicais, partidários que não concordam com o papel que vem sendo desenvolvido pelos procuradores e que chamam de judicialização da política.

Este pessoal, com liderança forte em São Paulo, estimam que 50 mil pessoas, de todo o País, devem ir a Curitiba. Amanhã, quarta-feira, 10 de maio, deverá ficar na história. No dia do depoimento, lideranças petistas vão promover debates políticos e atos culturais na frente da Justiça Federal do Paraná caso o depoimento não seja transmitido ao vivo. Se houver a transmissão, os petistas vão instalar um telão no local.

O que esses movimentos, tanto contra ou a favor de Lula não estão levando em consideração é o forte esquema preparado pela Polícia Militar do Paraná e Polícia Federal que fecharão vários quarteiros ao entorno da Justiça Federal. Só entram e saem moradores credenciados. A ordem é evitar confrontos e manifestações de caráter eleitoral.