Recibos de Lula deram na trave da força tarefa

Lula em coletiva de imprensa após ser conduzido coercitivamente na Operação Aletheia.

Nada que não possa piorar para Lula que será julgado dia 24 em Porto Alegre pelo Superior Tribunal Regional. Agora, a força tarefa da Operação Lava Jato sustenta que os recibos do apartamento que Lula alugava para encontros políticos, possuem evidências de falsidade ideológica. 

Diante das tão clamorosas evidências da falsidade ideológica dos documentos impugnados neste incidente, ora destacadas, compreende-se porque a defesa do arguido, como é visível, tenha ido construir a fantasiosa e inverossímil versão sobre o “encontro” dos recibos em sua residência, que não convence ninguém, consoante pormenorizadamente abordado na manifestação ministerial do evento 31, à qual ora aqui se reporta, sendo, assim, pois, irretorquível que o arguido fez uso de recibos ideologicamente falsos na ação penal de que se trata, documentos que foram ardilosamente produzidos para dar falso amparo à simulada locação, que é um dos expedientes de dissimulação da real propriedade do apartamento n. 121 de Luiz Inácio Lula da Silva”, afirma a força-tarefa.

A defesa de Lula diz que o Ministério Público Federal abusa do direito de acusar e reforça a prática do “lawfare” contra Lula ao apresentar suas alegações finais hoje (11/01) no incidente de falsidade nº 5043015-38.2017.4.04.7000 pedindo que seja declarada a falsidade dos recibos de locação apresentados pelo ex-Presidente a despeito da comprovação de que os documentos são autênticos e idôneos.