6 COISAS PARA PROCURAR EM AMBIENTES DE TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA PARA AS MULHERES

pp77

A Dependência Química afeta tanto homens quanto mulheres, mas locais para tratamento visando o público feminino é, ainda,  escassa no Brasil, embora o consumo de álcool e outras drogas pelas Mulheres tenha aumentado exponencialmente, segundo pesquisas. Serviços Públicos, então, nem se fala, NÃO há uma preocupação e uma diretriz normativa eficiente nas políticas públicas sobre drogas voltada para grupos em situação de vulnerabilidade, nos quais se incluem as Mulheres; a opção são clínicas particulares ou comunidades terapêuticas que realizem este atendimento ou acolhimento. Mas, então, o que procurar nesses locais? Aqui vão 6 dicas daquilo que é imprescindível para um bom tratamento.

1. Tratamento que aborda toda a pessoa

Um programa de tratamento integrativo que aborda toda a pessoa é tipicamente o mais eficaz para as mulheres que estão lutando contra uma dependência . Tal programa de tratamento aborda os aspectos físicos e psicológicos da doença, bem como os componentes espirituais e sociais.

Os ambientes de tratamento para mulheres devem oferecer terapias para abordar quaisquer traumas emocionais ou sexuais que possam ter contribuído para a dependência, bem como transtornos alimentares, problemas familiares, problemas de imagem corporal ou questões de auto-estima.

2. Terapia de suporte

As mulheres tendem a se definir por suas relações e conexões com outras pessoas. Assim, ter um terapeuta de apoio, criador e empático é uma obrigação .

Os grupos de apoio com outras mulheres que tem problemas semelhantes também são um aspecto crucial do processo de recuperação. A pesquisa mostrou que as mulheres que sofrem de um vício se beneficiam mais de terapias de suporte do que qualquer outra abordagem. 2

3. Tratamento da Dependência durante a gravidez

A mulher grávida com dependência química deve procurar um programa de tratamento que atenda aos desafios únicos que enfrenta. A gravidez pode tornar o tratamento mais difícil e pode levar a uma mulher a terminar o tratamento precocemente.

Os locais para o tratamento devem apoiar as mulheres grávidas abordando as preocupações nutricionais e a saúde fetal enquanto discutem abertamente a gravidez, incluindo visitas ao consultório médico e também devem fornecer desintoxicação e estabilização medicamente assistida quando necessário. 2

4. Serviços de assistência à criança e de parto no local

Os serviços de assistência à infância no local são outra comodidade importante a considerar para aqueles que têm filhos . Estudos mostraram que as mães cujos filhos ficaram com eles durante a reabilitação foram mais propensas a realizar o tratamento até a conclusão. Para aqueles que têm pouco apoio familiar, a assistência à infância no local pode ser a sua única opção durante a reabilitação.

É interessante verificar se os locais de tratamento para mulheres oferecem serviços de aconselhamento especializado para os pais abordarem problemas de parentes comuns associados ao vício. Esses serviços podem ser inestimáveis ​​para as mães em recuperação. 2

5. Sexo dos Profissionais de Tratamento

As mulheres podem querer considerar o gênero dos profissionais de tratamento em uma instalação de reabilitação. Alguns centros de tratamento podem ser exclusivos das mulheres, mas os provedores podem ser de ambos os sexos. Se uma mulher sente que ela pode se beneficiar mais com profissionais de tratamento feminino, ela deve fazer alguma pesquisa e garantir que o centro de tratamento que planeja a possa atender a essas necessidades.

6. Abordando riscos de recaída exclusivos de gênero

Existem vários riscos de recaída exclusivos de gênero que um centro de tratamento para mulheres deve abordar. Estes incluem: 2

  • Baixa auto-estima nos relacionamentos.
  • Trauma infantil anterior.
  • Ataque sexual anterior.
  • Distúrbios alimentares associados ao uso de drogas.
  • Dificuldade em terminar relações com outros usuários de drogas, especialmente em casos de cônjuges, parceiros românticos e familiares próximos.

 

 

Referências

1. NIDA. (2012). Princípios do tratamento da dependência química: um guia baseado em pesquisa .
2. Centro de Tratamento de Abuso de Substâncias. (2009). Tratamento de Abuso de Substâncias: Abordando as Necessidades Específicas das Mulheres. Rockville (MD): Administração de Serviços de Abuso de Substâncias e Serviços de Saúde Mental (EUA). (Série de Protocolo de Melhoria do Tratamento (TIP), No. 51.) Capítulo 7: Tratamento de Abuso de Substâncias para Mulheres .