A Vulgarização Midiática do Sofrimento de um Dependente Químico

1458421-fabio-assuncao-da-trabalho-por-causa-de-opengraph_1200-1

A Vulgarização Midiática do Sofrimento de um Dependente Químico

É enfurecedor a maneira de vinculação da grande parte da mídia e na internet quando da recaída de um dependente químico e que é do circuito do “show-business”, no caso em questão do ator Fábio Assunção… SÃO URUBUS ATRÁS DE CARNIÇA.

A sociedade e a mídia vulgarizaram as drogas como sendo algo normal mas, o seu consumo  e os efeitos dela NÃO O SÃO. As Políticas Públicas sobre Drogas, quer seja no âmbito Federal, Estadual ou Municipal são pífias e ridículas, além de serem lentas e emperradas por uma burocracia estúpida e ignorante. O conceito moralista, estigmatizante, repressivo e retrógrado (e isso fica mais evidente quando de diversos comentários sobre o estado do ator Fábio Assunção) ainda se sobrepõe à Prevenção, à Dignidade Humana e a um Tratamento acessível para TODOS os que sofrem da adicção.

Somente 1 em cada 6 dependentes químicos (UNODC) conseguem tratamento, na maioria aqueles que tem uma condição econômica boa e estável ou, ainda, muitas famílias que se unem, em forma de rateio, para custear um tratamento. Pouquíssimas VAGAS SOCIAIS estão disponíveis para aqueles que pouco ou nada tem a oferecer, além de suas vidas…é muito mais fácil encarcerá-los ou deixá-los à mercê do cimento urbano excludente do que oferecer tratamento, só não é mais econômico, pois a cada dólar investido em tratamento economiza-se outros 7 dólares gastos no sistema prisional (UNODC). É DEVER do ESTADO e um DIREITO DO CIDADÃO, conforme até preconiza nossa Constituição, o seu acesso à Saúde em seu artigo 196 e complementado pela Lei 8080/90 em seu artigo 2º.

Mas, enquanto lemos, escutamos e visualizamos termos como “Detido”, “Levado preso na caçamba da Viatura” entre tantos outros, e a mídia prepara o terreno para um acesso ao tratamento do Dependente Químico e Ator Fábio Assunção, onde surgirão várias Clínicas oferecendo ajuda e o tal do tratamento, como se isso fosse o normal, ainda persistem e sub-existem milhares de dependentes químicos que estão à míngua nas ruas, em cracolândias e em lugares insalubres, mas para esses o descaso, a desconsideração prevalece…ASSIM CAMINHA A HUMANIDADE.

ME IDENTIFICO E ME SOLIDARIZO COM A DOR E O SOFRIMENTO DE TODOS OS DEPENDENTES QUÍMICOS, INCLUINDO FÁBIO ASSUNÇÃO!