Presidente da Urbs é o sétimo a desembarcar da gestão Greca

Foto:Joel Rocha/SMCS
Foto:Joel Rocha/SMCS

Da BandNews FM Curitiba

O presidente da Urbs, José Antonio Andreguetto, é o sétimo integrante do primeiro escalão do governo Greca a cair.  Assim que a notícia veio a público, a Prefeitura de Curitiba se apressou em confirmar o afastamento, alegando que Andreguetto pediu o desligamento por “motivos pessoais”. Ele será substituído interinamente pelo diretor de Transporte da Urbs, Antonio Carlos Pereira de Araújo.

Embora confirme que motivos particulares o levaram a pedir demissão há cerca de 30 dias, Andreguetto admite que a solução de alguns problemas do sistema público de transporte tem demorado mais do que previam os compromissos públicos do prefeito Rafael Greca, que assumiu o governo municipal em janeiro deste ano.

Uma das dificuldades enfrentadas diz respeito à renovação da frota de ônibus da cidade. Desde 2013, no primeiro ano da gestão do ex-prefeito Gustavo Fruet, as empresas de transporte coletivo se amparam em uma liminar judicial que as desobriga de comprar novos veículos para o sistema. José Antonio Andreguetto afirma que permaneceu na presidência da Urbs por algumas semanas desde que pediu afastamento para que a transição fosse preparada.

“Há mais de um mês eu pedi para o prefeito Rafael Greca minha saída da Urbs por motivos particulares. O prefeito pediu para eu permanecer no cargo por mais um período e aqui estou. Mas agora o prefeito vai marcar uma assembleia na semana que vem para fazer a recomposição e minha saída em definitivo ao meu pedido”, disse.

Andreguetto diz ter conseguido cumprir algumas metas na administração da Urbs, como equilibrar financeiramente o Fundo de Urbanização, que remunera as empresas. Ele reconhece que a renovação da frota é um dos principais impasses da gestão e do sistema, que depende de uma solução na esfera judicial.

De acordo com a Prefeitura de Curitiba, a saída de Andreguetto do cargo será formalizada depois da reunião da Assembleia Geral da Urbs, que precisa homologar a mudança na presidência. Em oito meses de gestão, mais seis pastas da administração municipal, além da Urbs, tiveram trocas de comando: as Secretarias do Meio Ambiente; da Defesa Social e Trânsito; de Recursos Humanos; da Saúde; a Fundação Cultural de Curitiba; e a Fundação de Ação Social.