Seguranças que barraram advogado negro são demitidos de bar

advogado
Foto: Reprodução/Facebook
Com informações da Repórter Tabata Viapiana da CBN Curitiba

O advogado Juliano Trevisan afirmou que foi barrado por seguranças quanto tentou entrar no bar James, no bairro Batel, em Curitiba, na última quinta-feira (13). De acordo com o relato, ele vestia calça social, sapato marrom, camisa de manga curta preta e gravata preta e foi informado por um funcionário que ele não poderia entrar pois seria confundido com a equipe de segurança do estabelecimento.

De acordo com Trevisan, ele saiu de um evento de advogados e foi ao bar. Outro segurança, que estava do lado e tinha um rabo de cavalo, ainda teria dito a Juliano que o problema não era com o cabelo comprido do advogado. Juliano preferiu não argumentar e foi embora com os amigos.

“Me sinto humilhado, olhei mil vezes minha roupa, até entender que o problema não é minha roupa, não é meu estilo, não sou eu”, escreveu o advogado. Ele disse que muitas pessoas que vão ao James usam camisa e gravata e nem por isso são barradas. Juliano classificou a atitude dos funcionários de “parcial e amadora”.

Em nota, o James Bar lamentou o episódio e disse que impedir a entrada do advogado foi uma atitude errada e arbitrária de dois funcionários, que já foram demitidos.

A postagem de Juliano teve grande repercussão no Facebook. Já são quase dois mil compartilhamentos e mais de mil comentários. A página do James Bar também foi alvo de comentários negativos e críticas a conduta dos funcionários da casa.

Veja a nota divulgada pelo James

Olá. Gostaríamos de fazer uma retratação pública ao Juliano Trevisan — e a todos vocês, que corretamente se solidarizaram com ele.

Infelizmente, ocorreu um episódio do qual devemos nos retratar e esclarecer o que aconteceu. Estamos muito chateados e envergonhados. Na noite de quinta-feira (13/07), o Juliano foi equivocadamente informado que não poderia entrar no bar por conta do que estava vestindo. Essa foi uma atitude errada e que não condiz com o que acreditamos.

Por mais que tentemos nos colocar no lugar do Juliano, não vamos conseguir entender a sensação de humilhação que ele sentiu no momento. Mas imaginamos algo muito triste e distante do que sempre queremos para todos. Toda vez que vocês pisam no James, desejamos que se sintam especiais, acolhidos e livres.

Ontem falhamos nessa missão por causa de uma atitude arbitrária dos funcionários envolvidos. Nossa decisão, portanto, foi desligá-los de nosso quadro, para que isso nunca mais ocorra.

Damos muita importância à participação de vocês — críticas e elogios — para que possamos evoluir e melhorar. Aprendemos muito com isso e estamos trabalhando para sempre oferecer um local seguro e justo, com a descontração de sempre. Que seja um lugar onde vocês se sintam à vontade para expressar a essência de cada um: tudo com base no respeito, na diversidade e na tolerância.