Audiência tenta colocar fim à paralisação do transporte coletivo de Curitiba

Foto: Reprodução / TRT
Foto: Reprodução / TRT

Motoristas, cobradores, sindicatos e poder público discutem na sede do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) do Paraná sobre o dissídio coletivo do transporte público de Curitiba e o fim da greve dos trabalhadores que afeta a cidade desde a última quarta-feira (15).

Durante a semana, a desembargadora e vice-presidente do TRT-PR, Marlene Suguimatsu, proferiu decisões sobre à paralisação dos motoristas e cobradores. Foi determinado a circulação da frota de ônibus deve obedecer ao percentual mínimo de 50% nos horários de pico. A multa por descumprimento chegou a ser elevada para R$ 100 mil por hora.

> Circulação da frota mínima é desrespeitada no terceiro dia de greve em Curitiba
> Motoristas e cobradores fazem “vi nada” na sede da Urbs

Na audiência, que acontece agora, está sendo discutido, entre outros pontos, o percentual de reajuste salarial de motoristas e cobradores. Os empresários ofereceram reposição do INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) aos salários e demais benefícios, de forma linear, o que representaria 5,43% de reajuste. A proposta foi recusada pelos trabalhadores.

Acompanhe ao vivo: