Campanha da prefeitura busca apoio popular para ajuste fiscal

ajuste fiscal
Repórter Thiago Machado do Metro Curitiba

Enfrentando a oposição dos cinco sindicatos de servidores municipais e ainda em busca dos votos dos vereadores, a prefeitura de Curitiba lançou na quarta-feira (18) uma campanha publicitária para tentar convencer a população a apoiar as medidas de austeridade propostas pelo prefeito Rafael Greca (PMN).

Três peças televisivas, duas para rádios, além de material produzido para internet e impressos divulgam a tese de que o déficit deixado pela gestão anterior se tornará desastroso caso cortes não sejam feitos. “Nos últimos quatro anos a arrecadação subiu 28% para uma folha que aumento 70%. A conta não fecha”. diz uma das propagandas que foi ao ar. “Converse com seu vereador e diga sim para o plano de recuperação do Curitiba”, conclui a peça.

Através do seu perfil no facebook, o prefeito Rafael Greca (PMN) disse ontem que assumiu a prefeitura “de cabeça pra baixo”. “Gestão é a obra que enfrenta, e coube a mim enfrentar. É isso que eu vou fazer com o entendimento cívico dos nossos vereadores”. O pacote começou a tramitar nessa semana, mas uma série de pedidos de vista atrasou as primeiras votações nas comissões para a semana que vem.

Manifestantes montaram um acampamento em frente à Casa, e pressionaram os vereadores em corredores e reuniões.

Ofensas a vereador

Ontem o presidente da Câmara, Serginho do Posto (PSDB), subiu ao púlpito para fazer um desagravo ao vereador Mauro Bobato (PTN), que teria sido ofendido por manifestantes na terça-feira.

Bobato foi o autor do relatório favorável ao projeto de lei que modifica a previdência dos servidores e transfere R$ 600 milhões do fundo previdenciário para o caixa da prefeitura. “Não ficou nada elegante. Principalmente do ponto de vista de que quem ofendeu seriam servidores, que atendem o público direta ou indiretamente. O fato é lamentavel”, disse Serginho.

Ele ainda defendeu o pacote e fez duras críticas à gestão anterior. “Esta crise não foi a Câmara que produziu e temos que deixar isso bem claro. Quem provocou essa crise tem nome e sobrenome e estava no pode até 31 de dezembro. Provocaram a crise e trouxeram para a Câmara resolver”.

Medidas

Entre outras medidas, a prefeitura pretende instituir uma taxa de lixo para imóveis que hoje são isentos, além de aumentar impostos para transferências de imóveis acima de R$ 140 mil. O pacote ainda suspende os planos de carreira de todos os servidores e transfere a data-base de abril para novembro. A prefeitura ainda quer cortar o pagamento de vales-transporte em dinheiro. Os valores seriam substituídos por créditos em cartões.