Atos contra contra PEC 55 e retirada de direitos mobilizam estudantes e trabalhadores

Foto: PRF Paraná
Foto: PRF Paraná

Trabalhadores de diversas categorias e estudantes fizeram manifestações desde o início da manhã desta sexta-feira (25) em pelo menos três frentes: na BR-277, onde estudantes bloquearam a rodovia no km 83, no bairro Jardim das Américas em Curitiba; na região do Contorno Sul, onde trabalhadores de fábricas e montadoras fizeram atos em frente às empresas; em em garagens de ônibus do transporte coletivo de Curitiba e região metropolitana.

Os protestos são em defesa da saúde e da educação, contra a  PEC 55, que congela os gastos públicos por 20 anos, e a Medida Provisória que reforma o ensino médio, e contra retirada de direitos trabalhistas.

Manifestações também são realizados em todo o país. Os atos fazem parte do “Dia Unificado de Protestos e Paralisações” ou “Dia Nacional de Mobilização e Paralisação Contra a Retirada de Direitos”, organizado por centrais sindicais, frentes, movimento populares e estudantis.

Em Curitiba, uma mobilização unificada é chamada pela articulação “CWB Contra Temer”, com concentração às 18h30, na Praça 19 de Dezembro.

A previsão é de que a PEC-55 seja votada no Senado na próxima terça-feira, dia 29. Para o dia da votação, a articulação prepara o movimento “Ocupa Brasília”, que levará caravanas de todas as regiões do Brasil à capital federal. Em Curitiba, pelo menos três ônibus estão sendo organizados por sindicatos e centrais.

Transporte coletivo

Ônibus do transporte público de Curitiba e região metropolitana tiveram atraso de 40 minutos a uma hora nesta sexta-feira, no início da manhã. Motoristas e cobradores se reuniram às 4 horas da manhã, como parte do “Dia Nacional de Mobilização e Paralisação Contra a Retirada de Direitos”.

O Sindicato dos Motoristas e Cobradores (Sindimoc), filiado à Força Sindical, promoveu assembleias em portas de garagens. Não houve paralisação, mas os atos atrasaram as saídas de ônibus.

Metalúrgicos

Trabalhadores de diversas categorias ligadas à Força Sindical também participaram de manifestações. Entre as categorias, estão envolvidos os metalúrgicos, com atos em entradas de turnos de empresas como Renault, Nissan, Bosch, Volvo, Volkswagen Audi, New Holland e WHB.

Nesses casos, não houve bloqueio de rodovias. E também não houve paralisação. O sindicato dos metalúrgicos chamou de assembleias prolongadas.

Entrega de informativos também serão realizados pelos sindicatos filiados à Força Sindical nas principais cidades do interior do estado.

O protesto é para pedir medidas efetivas para o reaquecimento da economia. Além disso, os manifestantes contestam medidas de cortes de direitos trabalhistas.