Vereadora Kátia dos Animais é expulsa do Solidariedade

Foto: CMC

A vereadora de Curitiba Kátia Dittrich foi expulsa do partido Solidariedade. Por meio de nota, a legenda afirmou que abriu processo sobre a conduta da vereadora, após ela ser acusada de se apossar dos salários de servidores – e, após análise, decidiu pela expulsão da parlamentar.

A assessoria da vereadora só deve se pronunciar após às 14 horas.

A mesa diretora da Câmara ainda não foi informada sobre o afastamento da vereadora. Ela continua trabalhando normalmente. O partido pode solicitar a cardeira de Kátia na Justiça Eleitoral e, se acatada pelo órgão, pode ocorrer nova posse.

Denúncias

Seis ex-assessores de Kátia dos Animais, como é conhecida, apresentaram comprovantes de depósitos bancários e termos de declaração em que afirmam terem sido demitidos depois de se recusarem a entregar parte dos salários para a vereadora. Elas foram ouvidas oficialmente pela primeira vez na Câmara dos Vereadores, no dia 26 de novembro. Foram ouvidas Luciana Chucene, ex-chefe de gabinete, e Virginia Vargas da Costa, ex-assessora de imprensa.

“Trabalhei normalmente no gabinete da vereadora Katia durante o mês de janeiro, até que ela me falou que assim que eu recebesse meu primeiro pagamento, eu deveria repassar à eles o valor de R$2.000,00, e justificou que seria para cobrir despesas das diversas atividades que pretendiam realizar, e que esta seria uma solicitação que ela estaria fazendo à todos os funcionários do gabinete, com exceção dos dois funcionários que foram nomeados com um CC8, por ser o menor salário (em torno de R$ 2.000,00)”, relata um dos denunciantes, que diz ter sido exonerado no dia seguinte à sua recusa à proposta.

“Em torno de 15 dias antes da citada assumir oficialmente a função de vereadora, ela e seu esposo, Marcos Whiters, estiveram em minha casa, e então para minha surpresa, me disseram que eu teria que contribuir com um valor de R$ 1.500,00 mensais do meu salário, o que seria uma prática que a ser realizada por todos os funcionários que fossem nomeados com o objetivo de manter algumas despesas que ela teria com o trabalho no gabinete”, cita um outro ex-funcionário.

Processo

O presidente da Comissão Processante, Cristiano Santos, informou que ainda restam duas oitivas de denunciantes – Samira Tomé e Ronaldo Sérgio da Silveira Filho, que não puderam comparecer e pediram o reagendamento dos depoimentos. O jornalista Diego Xaver está na Irlanda, não deixou contatos, por isso não pôde ser notificado, e Maíra Bonfim, que está no Mato Grosso.

“Depois teremos as testemunhas da própria vereadora Katia e por fim a vereadora para que apresente as suas defesas. Estamos prezando pelo cuidado, fazendo de tudo para garantir a ampla defesa, ouvindo as pessoas que estão denunciando, estaremos também ouvindo as testemunhas de defesa da vereadora, o que a gente quer é que a Justiça prevaleça”, salientou Santos.

Ao final do processo, a Comissão poderá opinar pelo arquivamento do processo, ou pela cassação do mandato. O relatório será encaminhado aos demais vereadores e a decisão será tomada em plenário, pelos 38 parlamentares.

Veja a nota do partido na íntegra

O Conselho de Ética do Solidariedade recebeu uma denúncia e abriu processo sobre a conduta da vereadora Katia Dittrich. Após a análise, foi considerado que a conduta não era compatível com os princípios do partido. Por isso, o colegiado decidiu pela expulsão da parlamentar, que já foi referendada pela Comissão Executiva Nacional.