Mesmo com liminar, empresas não impedem paralisações de ônibus

Foto: Sindimoc
Foto: Sindimoc

Cristina Seciuk, CBN Curitiba 

O Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba e Região conseguiu na Justiça um interdito proibitório para evitar prejuízos com as paralisações que vem sendo realizadas pelos motoristas e cobradores.

A decisão é da juíza da 3ª Vara do Trabalho de Curitiba, Ana Gledis Tissot Benatti, e determina, liminarmente, que o Sindicato dos Trabalhadores não impeça o acesso dos motoristas, cobradores e também dos passageiros, aos ônibus ou empresas de transporte.

No despacho, a juíza afirma que a intenção da medida é garantir ao sindicato das empresas o direito de propriedade, dado “o justo receio de ser molestado na sua posse”.

Entretanto, ainda na decisão, Ana Gledis Tissot Benatti destaca que a medida postulada não deve impedir o livre exercício de greve, constitucionalmente garantido. Pelo texto, dentro dos limites legais, estão vedadas as manifestações e atos de persuasão dos grevistas que impeçam o acesso ao trabalho ou que causem ameaça ou dano à propriedade ou à pessoa.

Em caso de descumprimento, o sindicato dos trabalhadores fica sujeito a multa, com valor estabelecido de R$ 500 ao dia.

A medida do Setransp foi apresentada depois do primeiro protesto realizado pelo profissionais para cobrar mais segurança, na terça-feira (05). Naquele dia as empresas afirmaram que integrantes do Sindicatos dos motoristas e cobradores teriam sequestrado coletivos para levá-los aos locais de protesto, além de barrar a passagem de ônibus que seguiam circulando ou forçar o desembarque de passageiros. Todas práticas negadas pelo Sindimoc.

Marcados em protesto contra violência da qual já foram vítimas ao menos seis profissionais em menos de um mês e meio, as paralisações da categoria serão retomadas após o feriado prolongado, na segunda-feira, com duas paralisações gerais de uma hora, às 9h e às 15h. O cronograma de protestos deve se estender até o dia 20 de setembro.

Cronograma de paralisações completo:

cronograma-paralisacoes-sindimoc