Oficina de Música de Curitiba é adiada para o segundo semestre

Orquestra Sinfônica do Paraná.
Foto: Pedro Ribas/ANPr

A 35ª edição da Oficina de Música de Curitiba, que deveria acontecer entre 7 e 29 de janeiro, foi adiada para o segundo semestre por causa da situação financeira da prefeitura. Porém, a nova data ainda não foi definida.

O adiamento do evento gerou impasses entre a gestão anterior, de Gustavo Fruet (PSD), e a atual, de Rafael Greca (PMN). A suspensão do evento aconteceu porque a nova gestão alega falta de recursos. O custo inicial do evento era de R$ 2,6 milhões, mas, após seguidos cortes, chegou a R$ 1,3 milhão, valor que estava previsto no orçamento da capital. Quando a suspensão foi anunciada por Greca, no fim de 2016, Fruet, em nota, lamentou a decisão e disse que “o evento é importante para a cidade e que nunca deixou de ser realizado, mesmo em momentos de dificuldades financeiras”. Sua gestão chegou a afirmar que o cancelamento da Oficina de Música traz à cidade um “impacto negativo e irremediável”.

Porém, o prefeito Rafael Greca afirma que há outras prioridades, como a saúde. Além disso, haveria o risco de a prefeitura não conseguir arcar com as despesas. “Não podemos concordar com a exposição da cidade a um vexame nacional e internacional ou, o que é pior, a um possível calote público de grandes proporções, mesmo que provocado pela oportuna Responsabilidade Fiscal”, disse Greca. Ele deve publicar até a semana que vem um levantamento completo sobre as contas públicas do município.

Um grupo de trabalho foi formado para definir as diretrizes do evento. Na equipe, estão o presidente da Fundação Cultural de Curitiba (FCC), Maurício Appel, a coordenadora artística da Oficina, Janete Andrade, e o Presidente do Instituto Curitiba de Arte e Cultura (Icac), Marino Galvão Junior. Eles devem se reunir semanalmente a partir de quarta-feira (11). “O prefeito Rafael Greca decidiu pelo cancelamento ao saber que não havia recurso disponível para a realização da Oficina”, disse Appel. “Esta radiografia dos cofres da cidade é imprescindível nesses primeiros dias de gestão”, destacou Greca.

O Presidente da Fundação, explica que devido aos cortes previstos da nova gestão municipal, a Oficina desse ano deve ter uma estrutura reduzida. “Na realidade financeira em que a prefeitura se encontra, essa Oficina deverá ser um pouco mais enxuta, um pouco menor do que as oficinas habituais. Para a Oficina de 2018, faremos uma Oficina a nível nacional. Curitiba será a cidade que hospedará a Oficina de Música, mas, para isso, chamaremos o governo estadual e federal, para termos uma participação de todas as partes diante da dimensão que a Oficina tomou”, explica.

Data prevista

Um coletivo de artistas, maestros e professores de música está realizando um abaixo assinado virtual, pedindo pela manutenção da Oficina na data prevista, ou seja, no mês de janeiro. Segundo a Regente do Coral da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Priscilla Prueder, que coordena o movimento, até agora quase duas mil e duzentas pessoas assinaram a petição.

Todos os professores convidados e alunos que já tinham feito a inscrição na Oficina já foram comunicados sobre o cancelamento dos cursos no mês de janeiro. O dinheiro da inscrição – R$ 100 – já está sendo devolvido. Participantes que tiverem qualquer problema no ressarcimento devem entrar em contato com a organização da Oficina pelo e-mail oficinademusica@fcc.curitiba.pr.gov.br