População curitibana exige medidas para reforçar a segurança

Conteúdo patrocinado

O noticiário local tem apontado que a violência e a ocorrência de assaltos vêm aumentando em Curitiba. Entre as principais estratégias adotadas pelos infratores, o assalto a ônibus tem se repetido mais recentemente, apesar de não ser um problema atual. Devido à facilidade, acesso a várias vítimas e ainda a provável ausência de repressão dentro dos veículos, assaltantes tem se aproveitado dessa situação.

Nos últimos três meses foram registradas ao menos 12 ocorrências graves no transporte coletivo; assaltos, arrastões, facadas, assédio sexual e até mortes. Entre agosto e setembro, foram quatro ataques graves a motoristas, cobradores e passageiros na Grande Curitiba.

Mas a falta de segurança em Curitiba não é “privilégio” dos ônibus. Devido ao fluxo maior de pessoas em parques por causa do calor dos últimos dias, o fluxo de pessoas tem aumentado nos parques Barigui, Bacacheri, Tingui, Tanguá, Passaúna e Jardim Botânico. Tanto é que a Guarda Municipal recebeu um reforço no seu efetivo para aumentar a segurança em horários com maior concentração de pessoas.

Todo esse quadro vem exigindo também um aumento do efetivo nas ruas. Recentemente, cerca de cem policiais da área administrativa do quartel do Comando Geral foram realocados para colaborar no patrulhamento em várias regiões da cidade. Segundo a Polícia Militar (PM), a Operação Sinergia que acontece na capital e municípios da Região Metropolitana, não tem data para acabar.

A medida vem em boa hora para tentar diminuir a sensação de insegurança da população que ocorre em diferentes bairros da cidade. O bairro de Curitiba que mais teve furtos e roubos no primeiro semestre do ano foi o Centro, com 5.986 ocorrências, seguido do CIC, com 2.295. O Centro registrou 792 furtos e 2.194 roubos no período. Outras regiões que tiveram menos ocorrências polícias foram:

  • Sítio Cercado – 2.000
  • Boqueirão – 1.390
  • Portão – 1.306
  • Água Verde – 1.299
  • Cajuru – 1.196
  • Pinheirinho – 1.132

E o aumento de policiais já vem sendo percebido pelas pessoas em bairros como Jardim Botânico, Bacacheri, ao redor do Hospital Erasto Gaertner e também na Avenida Victor Ferreira do Amaral – entre Tarumã e Alto da XV.

Segurança residencial

Além das ocorrências em espaços públicos, outro problema que tem alarmado a população é o assalto a residências. No início do ano, uma série de assaltos a casas e comércios do bairro Santa Felicidade assustou moradores e comerciantes. Segundo levantamento feito pela Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp), dez bairros concentram aproximadamente 40% dos casos de roubo e furto a casas em Curitiba, entre eles o Sítio Cercado, Cidade Industrial, Cajuru, Uberaba e Boqueirão.

Para reforçar a segurança residencial, uma das medidas ao alcance da população é investir em sistemas de segurança para proporcionar maior tranquilidade dentro de casa. Na hora de comprar ou alugar um imóvel, é fundamental que os moradores verifiquem o histórico de insegurança da região e também pensem objetivamente em aumentar a segurança.

A adoção de medidas de segurança em novos empreendimentos é mais fácil. Mas como a maioria das casas e apartamentos para alugar em Curitiba não conta com sistemas de segurança, essa é uma das primeiras atitudes tomadas pelos novos inquilinos. Entre as principais soluções estão:

Cerca elétrica

Um dos meios mais seguros quando o assunto é proteção da casa é a instalação de uma cerca elétrica. Entre as principais vantagens, estão o baixo custo de energia, resistência e durabilidade. Segundo o professor da Universidade Federal do Paraná e engenheiro eletricista, Tibiriçá Moreira, “a cerca deve ter corrente elétrica de, no máximo, 5 mil amperes, com intervalo de 1,2 segundos entre um choque e outro.

Alarme

A instalação de um alarme residencial é a opção mais comum tanto em apartamentos como casas para alugar em Curitiba. Os alarmes mais vendidos são os perimetrais, volumétricos e lineares. O alarme perimetral é instalado nas portas e janelas e dispara no primeiro sinal de violação. Os alarmes volumétricos, também conhecidos como sensores de presença, são detectores de variações de temperatura em curtos espaços de tempo. Os alarmes lineares apitam caso uma das linhas que são emitidas por sinais sejam “quebradas”.

Para garantir maior segurança, o melhor é contar com o monitoramento de empresas especializadas que enviam uma equipe ao local sempre que o alarme disparar.
Uma boa solução para quem quer encontrar apartamentos ou casas a venda em Curitiba ou mesmo para locação com maior segurança é pesquisar imóveis com essa configuração em sites de classificados.

O conteúdo é de responsabilidade da Agência emarket