Prefeitura denuncia enfermeiros que abandonaram postos no Hospital do Idoso

zilda arns médicos
Foto:Cesar Brustolin/SMCS(Arquivo)

Cerca de 31 auxiliares de enfermagem e enfermeiros abandonaram os postos de trabalho no Hospital do Idoso, na noite de terça-feira (11), de acordo com a Prefeitura de Curitiba. A Secretaria Municipal da Saúde (Sesa) prestou queixa contra os trabalhadores no 8º Distrito da Polícia Civil, por volta das 23h45.

De acordo com a Sesa, os profissionais deixaram desassistidos 20 pacientes internados na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e 88 nas enfermarias. “Omitindo socorro e pondo em risco a vida dos internados. Além disto, provocaram o cancelamento de sete cirurgias programadas”, diz a nota oficial.

A escala estabelecida era de 35 profissionais para o atendimento no turno da noite e 4 compareceram. A categoria que é parte Fundação Estatal de Atenção Especializada em Saúde (Feaes) e está em greve, deflagrada na última segunda-feira (10). Uma determinação judicial definiu que pelo menos 30% dos funcionários devem comparecer ao trabalho. Neste caso, seriam 24 enfermeiros ou técnicos em enfermagem.

A prefeitura deslocou servidores de outras unidades de saúde para garantir o atendimento no Hospital do Idoso e solicitou à Faes a abertura de processo administrativo contra os funcionários. A Procuradoria Geral do Município também vai acionar a Justiça, pelo descumprimento de medida judicial obrigando o atendimento mínimo legal.

O Sindicato

Procurado, o Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviço de Saúde em Curitiba e Região (Sindesc), que representa a categoria, afirmou que não foi notificado sobre irregularidades durante a greve e que a mobilização continua. Ainda segundo o sindicato, caso seja confirmada alguma falha no cumprimento mínimo de 30% dos funcionários, será realizada orientação com os trabalhadores.

Greve

Os funcionários da Feaes atendem os Centros de Atenção Psicossocial (Caps), as Unidades de Pronto Atendimento (Upas), o Hospital do Idoso Zilda Arns e a Maternidade Bairro Novo.

Na última segunda (10), primeiro dia de greve, os funcionários do Hospital do Idoso foram os únicos que aderiram a paralisação. “Registrou-se apenas adesão em pequenas quantidades nas alas de internação, mas sem prejuízo ao atendimento”, afirmou a prefeitura na ocasião.

O sindicato reivindica 10% de aumento real, auxílio alimentação de R$ 630 mensais incluído no 13º salário e jornada de trabalho de 30 horas semanais para todos os trabalhadores.