Sindicalistas fazem café da manhã em frente à residência de Greca

Divulgação / Sismuc
Divulgação / Sismuc

Membros do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba (Sismuc) amanheceram em frente à residência do prefeito Rafael Greca (PMN), no bairro Batel, nesta segunda-feira (19) para protestar contra “falta de diálogo”. Um café da manhã foi organizado em frente ao prédio em protesto bem humorado em referência à tentativa de aprovação do pacote de medidas da prefeitura, que afeta a carreira do funcionalismo público municipal, entre outros efeitos.

Com uma mesa montada na calçada por volta das 7 horas, o grupo exigiu que o prefeito retire os projetos do pacote e convidou Greca a participar do café da manhã. O prefeito não atendeu ao convite e não se manifestou sobre o assunto.

Com megafone, os sindicalistas também fizeram um jogral criticando a administração de Greca e entoaram palavras de ordem contra o pacote de ajuste fiscal.

Quatro dos doze projetos do pacote devem ser votados amanhã na Câmara de Vereadores. Em reunião na semana passada os sindicatos fizeram dez sugestões à prefeitura. Dois dos quatro sindicatos, no entanto, se recusaram a propor adaptações e pediram a retirada total do pacote.

Os sindicatos de servidores reclamam que o pacote adia em sete meses a data-base e que ainda não garante a reposição da inflação, hoje prevista por lei.

Outra queixa é pela tentativa de suspensão dos planos de carreira, que só teriam as suas progressões efetivadas quando a prefeitura tivesse condições financeiras. A previsão era de R$ 280 milhões em gastos com planos neste ano.

Os servidores também não aceitam o corte dos vales-refeição de um mês inteiro em caso de apenas uma falta injustificada. Segundo eles, a medida tem o objetivo de dificultar greves e protestos.

Elas ainda afirmam que a prefeitura quer ‘meter a mão’ nos R$ 600 milhões do fundo previdenciário, deixando um rombo a ser pago pelos servidores.

Divulgação / Sismuc

Divulgação / Sismuc