Paraná tem saldo positivo de geração de emprego em fevereiro

Desemprego

Mais da metade dos municípios do Paraná registrou saldos positivos de emprego em fevereiro. Das 399 cidades, 269 (67,4%) geraram vagas no mês passado. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho, levantados pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes).

O estado registrou, em fevereiro, um saldo positivo de 9.962 vagas. Foi o segundo mês consecutivo de aumento na geração de emprego. O volume foi o dobro do registrado em janeiro (4.973).

Entre os estados, o Paraná foi o segundo com maior distribuição da geração de vagas entre os municípios, só perdendo para o Mato Grosso do Sul, com 68,4% dos seus 74 municípios com saldo positivo.

Dos cem municípios com maior saldo de vagas no País em fevereiro, 12 são do Paraná. Curitiba foi a cidade que mais gerou emprego no Estado, com saldo positivo de 696 vagas. A capital ficou em terceiro lugar no ranking do País, atrás de São Paulo (4.649) e Belo Horizonte (883).

Na sequência vieram Cascavel (585), Capanema (489), Londrina (473), Toledo (414), Ibiporã (391), Francisco Beltrão (367), Rio Negro ( 366), Pato Branco (329), Maringá (322), Ponta Grossa (312) e Palotina (298).

O secretário estadual da Justiça, Trabalho e Direitos Humanos, Artagão Junior, diz que a perspectiva é de um crescimento ainda maior. “Estamos num esforço extra para fazer a captação de vagas junto ao pequeno empresário, e assim, gerar mais oportunidades. Estamos trabalhando muito para que o resultado continue assim, positivo e crescente”, afirma.

“Observamos um crescimento em praticamente todos os setores econômicos, com exceção somente de alguns, mas desde agropecuária passando pela construção civil até a indústria de confecções, foram verificados aumentos significativos no saldo do emprego formal”, diz o diretor-presidente do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes), Julio Suzuki Júnior.

Salários

O ritmo de contratações também tem contribuído para uma retomada dos rendimentos. Levantamento do Ipardes mostra que o salário médio real dos admitidos cresceu 2,9% no Paraná em fevereiro de 2017, no confronto com o mesmo mês de 2016, passando de 1.363,89 para R$ 1.403,11.

“Nessa base de comparação é o maior aumento real desde meados de 2014, o que reforça a tese do arrefecimento da crise em âmbito local”, diz Julio Suzuki Júnior.

Confecções, construção civil e abates

Um outro levantamento, realizado pelo Observatório do Trabalho, ligado à Secretaria da Justiça, Trabalho e Direitos Humanos, mostra a recuperação das vagas em mais um setor no primeiro bimestre.

A confecção de peças do vestuário foi a que apresentou o maior saldo de empregos formais, com 1.349, seguida da construção civil com 1.203 postos e do abate de suínos, aves e outros pequenos animais, com 912 postos.

A ocupação que mais contratou no estado neste início de 2017 foi a de alimentadores de linha de produção, com 1.952 postos.

A indústria de transformação somou 5.747 postos neste primeiro bimestre de 2017, e os municípios que mais contrataram neste setor foram: Rio Negro (778 postos), Toledo (515), Londrina (501), Cascavel (462), Maringá (418), Palotina (384), São José dos Pinhais (258), Araucária (240), Telêmaco Borba (239) e Matelândia (211).

Na construção civil, também no primeiro bimestre, o município que mais se destacou foi Capanema com 1.257 postos, Curitiba 641 postos e Cascavel 288 postos.