Preços de combustíveis têm queda de 1,81% no mês

frentista combustíveis
Com Metro Curitiba

O preço médio do litro da gasolina no país fechou o mês de março com uma nova queda. Segundo dados da ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), o valor cobrado pelo combustível caiu 1,81%, passando de uma média de R$ 3,755 em fevereiro para R$ 3,687. Já o preço do etanol recuou 4,82%.

O valor médio do litro do biocombustível foi de R$ 2,884 para R$ 2,745 entre fevereiro e março. A queda no valor da gasolina reflete a política da Petrobras de revisão de preços pelo menos uma vez a cada 30 dias.

No final de fevereiro, a estatal reduziu o preço do combustível em 5,4%, em média, nas refinarias. Além disso, a queda do preço do etanol, que é misturado à gasolina, contribuiu para a diminuição do valor do combustível fóssil. “Com entrada da safra [de cana-de-açúcar], os preços do etanol devem se estabilizar e ou cair um pouco mais. A previsão para a gasolina é de manutenção. Havia a expectativa de que a Petrobras reduziria os preços na refinaria, mas ela voltou atrás e decidiu manter [na última sexta-feira, dia 31]”, diz o presidente do Sincopetro (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de São Paulo), José Alberto Paiva Gouveia.

Os dados ANP mostram que o preço da gasolina em março recuou em 25 Estados e no Distrito Federal, mantendo-se estável em Alagoas. Já o etanol caiu em 24 Estados e no Distrito Federal e permaneceu com o mesmo valor médio em Alagoas e no Amapá. Pela média de preços no país em março, o valor do litro do etanol representava 74,4% do cobrado pela gasolina. Isso significa que vale mais a pena abastecer com gasolina. Para identificar qual dos dois é mais vantajoso é preciso dividir o preço do litro do etanol pelo valor do litro da gasolina. Se o resultado da conta for maior que 0,7, vale a pena colocar gasolina. Se for menor, o melhor é o consumidor abastecer com etanol.