Bacellar manda Petraglia cuidar do time dele

Foto: Francielly Azevedo - Paraná Portal
Foto: Francielly Azevedo - Paraná Portal

A diretoria do Coritiba concedeu entrevista coletiva que durou exatos 48 minutos na manhã desta terça-feira (5) após o rebaixamento do alviverde no último domingo (3). O presidente Rogério Bacellar, ao lado dos vice-presidentes Alceni Guerra e José Fernando de Macedo, respondeu as críticas feitas pelo presidente do Conselho Deliberativo do Atlético-PR, Mario Celso Petraglia. Além disso, Bacellar explicou a queda para Série B: “futebol é futebol”.

Depois do rebaixamento, Petraglia usou as redes sociais e disse que “cair é para incompetentes”. Questionado pelo Paraná Portal, Bacellar não se incomodou em responder.

“Primeiro, ele não tem condições de falar em incompetência, ele que cuide da vida dele, que é muito melhor do que cuidar do Coritiba. Segundo, nós não emprestamos o Couto Pereira porque o contrato era de reciprocidade e a reciprocidade não existiu porque o Atlético não emprestou a Baixada quando precisamos. Tanto que a Justiça nos deu ganho de causa em primeira e segunda instância e mostrou que a incompetência foi dele de entrar com ação. Se ele entrou com a ação e perdeu, o incompetente não sou eu. Você acha que não iríamos jogar no Couto se o gramado tivesse condições? Petraglia deveria cuidar do clube dele e esquecer o Coritiba”, declarou.

Bacellar também explicou porque o Coritiba foi rebaixado. Um dos motivos seria a falta de dinheiro do clube, que impediu a montagem de uma equipe melhor. Além disso, comentou a ausência dele em Chapecó.

“Coritiba foi rebaixado porque futebol é futebol. Eu, sinceramente, acho que o Coritiba tinha todas as condições de continuar na Série A. Houve uma desatenção na nossa zaga no último lance e tomamos o segundo gol. Eu não fui para Chapecó por recomendação médica, estive em todos os lugares, mas dessa vez o médico disse que eu não poderia ir. […] Estou na base calmante”, disse.

Fim da gestão

Bacellar deixa a presidência do alviverde no fim do ano. O presidente assumiu o comando com uma dívida de mais de R$ 200 milhões de reais e, segundo ele, deixa o clube com praticamente o mesmo valor. No próximo sábado acontecem as eleições que definirão a nova diretoria coxa.

“Eu queria agradecer a todos os meus colaboradores, vice-presidentes que me ajudaram muito e dizer um muito obrigado porque sozinho ninguém faz nada”, finalizou a coletiva emocionado.