Maioria dos motoristas multados solta o volante para usar o celular

Foto: Detran/RS

Por Rafael Neves, Metro Curitiba

Multas por falar ao celular no trânsito costumam gerar reclamações quando o motorista estava com as duas mãos no volante – usando fone de ouvido ou viva-voz, por exemplo. Mas números do Departamento de Trânsito (Detran) mostram que apenas uma pequena parte dos infratores se enquadra neste caso.

De cada 100 flagrados em Curitiba em 2017, 93 puseram o celular ao ouvido, com uma das mãos, ou usaram o aparelho para mandar mensagens de texto em aplicativos, entre outras situações similares. Apenas sete mantinham as duas mãos ao volante e os olhos na pista.

O Detran considerou todos os casos em uma só estatística até novembro de 2016, quando a lei tornou infração gravíssima (7 pontos na carteira e R$ 293,47 de multa) estar “segurando ou manuseando” o aparelho.

Se o motorista usa o celular, mas mantém as duas mãos ao volante (bluetooth, viva-voz ou fone de ouvido) a infração é média, com perda de 4 pontos e multa de R$ 130,16.

Celular e direção

O Metro Jornal considerou os números de dezembro de 2016 a novembro de 2017, já que os dados de dezembro do ano passado ainda não estão fechados.

Em Curitiba, houve 52.999 multas por uso de celular no período e apenas 3.694 (ou 6,96%) foram na infração média, ou seja, o motorista tinha as duas mãos ao volante. Nas restantes, o infrator segurava o celular no ouvido (66,56%) ou mandava mensagens (26,46%).

No Paraná, os números foram mais equilibrados. Das 113.778 multas, foram 18.535 (16,29%) pela infração média. “Usar o celular, mesmo sem usar as mãos, já tira a atenção. Se eu estou segurando o celular ou usando um aplicativo, e precisar reagir com rapidez em uma situação no trânsito, a chance de evitar um acidente é muito menor”, avalia Rodrigo Kozakiewicz, chefe da divisão de autos de infração do Detran.

Para Kozakiewicz, o número se explica porque é mais fácil para os agentes de trânsito visualizarem os usos “explícitos” do aparelho.