73% dos brasileiros querem abandonar as redes sociais

Mulheres com celular.

Por Hidaiana Rosa, Metro Campinas

Estudo realizado pela Kaspersky Lab – empresa do ramo de segurança de computadores – constatou que 73% dos brasileiros querem abandonar as redes sociais, porém permanecem conectados porque têm medo de perder contatos com amigos e recordações das postagens que publicam nas plataformas.

O desenvolvimento da pesquisa ocorreu de maneira online com 4.831 pessoas de países diferentes, sendo 887 do Brasil. No total, 68% dos brasileiros que responderam aos questionamentos da pesquisa disseram que sair das redes sociais pode gerar perda de contatos com amigos.

Outros 21% contaram que não abandonam as plataformas virtuais porque têm receio de perder fotos e lembranças importantes. Além disso, 37% confessaram que estão perdendo muito tempo nas redes sociais e prejudicando as atividades de rotina.

A advogada Luciana Gonçalves, 38 anos, faz parte do grupo que usa as redes sociais com frequência. Além de ter perfil no Twitter, Luciana interage com os amigos pelo Facebook. Segundo ela, o uso das mídias sociais é intenso e prejudica as tarefas do cotidiano. Gráfico Redes Sociais

“Eu geralmente tenho a parte da tarde do meu dia para fazer as coisas de casa, mas depois do almoço acesso o Facebook e, quando vejo, deu 17h e não fiz nada. Para passar no exame da OAB eu recisei desativar todos os meus perfis e sair dos grupos do WhatsApp. Foi uma medida que precisei tomar para ter concentração nos estudos da prova”, relata a advogada.

Apesar de confessar que gasta muito tempo nas redes sociais, Luciana conta que tem receio de ficar offline.

“Eu tenho parentes que moram longe e sempre preciso fazer uma ‘visita virtual’ para
eles, digamos assim. O problema é que essa olhadinha se estende e passo mais tempo do que deveria”, conta a advogada.

O administrador de empresa Gustavo Varela Cesna, 26 anos, também usa as redes sociais com frequência e precisou adotar medidas diferenciadas para desenvolver equilíbrio no momento de interagir nas plataformas.

“Eu gerencio uma agência de turismo e uso bastante as redes sociais para mostrar pacotes para os clientes, mas em alguns momentos já me peguei dividindo tempo com as coisas pessoais. Depois disso, resolvi dividir as contas e criei um perfil pessoal e outro profissional. Acaba ajudando porque de fato consigo concentrar as coisas do trabalho no perfil profissional e não perco tempo”, conta Cesna.

Para Scher Soares, especialista em comportamento e Desenvolvimento Humano, para não correr o risco de cair na procrastinação, é importante definir prioridades.

“As pessoas têm mania de elaborar boas desculpas e no uso da internet isso é muito comum. Para não perder tempo e prejudicar a rotina, é preciso definir um tempo para uso das redes sociais, criar lista com as tarefas do dia e realizar sempre o que for mais importante. Tem que ter foco”, recomenda Soares.