Escolas públicas de Curitiba e do Paraná entram em terceiro dia de greve

Manifestação de professores
Foto: Joka Madruga / APP-Sindicato

Os professores das redes municipal e estadual de ensino devem se manter em greve até pelo menos no final de semana. Ontem, segundo o governo do Estado, 13% das escolas estaduais foram fechadas e 25% abriram parcialmente. A APP-Sindicato alega que em 70% dos colégios tiveram alguma atividade grevista. Na rede municipal a prefeitura contabilizou 148 escolas fechadas (37,8% do total), mas todos os CMEIs foram abertos.

Os professores aderiram a uma greve nacional contra as reformas da previdência e trabalhistas, mas estão mobilizados principalmente por pautas locais.

Na rede municipal eles pedem o cumprimento do plano de carreira aprovado pela gestão anterior. Durante a campanha, Rafael Greca (PMN) prometeu dar os aumentos, mas agora deu sinais de querer atrasar a aplicação das medidas.

Ontem ocorreu uma reunião, na qual a prefeitura disse que vai manter o plano. “A forma de se fazer depende de questões financeiras, dados esses que serão apresentados à categoria em uma reunião marcada para terça-feira”, disse o secretário de Administra- ção, Carlos Calderon. Assim, os professores prometeram voltar hoje e segunda ao trabalho, para tomar uma nova decisão na terça. Até lá ficam em estado de greve.

Já os professores da rede estadual prometem manter a greve ao menos até sábado, quando ocorre uma assembleia em Curitiba, ainda sem local definido. Eles pedem o pagamento das progressões atrasadas e o aumento da hora-atividade, reduzidas no começo do ano.

O governo abriu negociação de um cronograma para pagar as progressões até o fim do ano, ma não abre mão da redução das horas – medida que possibilitou a diminuições no número de professores.