Fraude trabalhista na ALL lesou 602 pessoas

Foto: AEN
Foto: AEN

A Polícia Federal (PF) revelou nesta terça-feira (14) uma fraude que lesou 602 empregados da antiga América Latina Logística (ALL) que moviam ações na Justiça do Trabalho contra a empresa. Juntos, os ex-funcionários perderam R$ 27 milhões por causa do esquema, de acordo com a PF.

Segundo a PF, duas bancas de advocacia – a da ALL e a do sindicato que representa os trabalhadores ferroviários (Sindifer) – se uniram para enganar os ex-funcionários que haviam entrado com processos trabalhistas em Irati, no sul do Paraná, entre 2011 e 2012.

Alguns trabalhadores que teriam direito, pelas decisões judiciais, a receber R$ 50 mil, mas acabavam recebendo cerca de R$ 4,5 mil – menos de um décimo –, o que beneficiava a empresa. E ainda assim, em alguns casos, os advogados não repassavam o valor ‘que sobrava’ para as vítimas.

“Ou seja, a banca já ludibriou o empregado, fechando um acordo bem baixo, e nem esse valor foi entregue ao empregado”, explica o delegado José Roberto Peres, da PF em Ponta Grossa.

A Operação Avidya – palavra em sânscrito que significa “incapacidade de compreender situações, de separar o certo do errado” – cumpriu oito mandados de busca e apreensão, todos em Curitiba. As buscas ocorreram em escritórios das bancas de advocacia e da Rumo, que comprou a ALL em 2015, na capital paranaense. As investigações continuam, segundo Peres.

A Rumo informou, em nota, que “assumiu o controle da Companhia em abril de 2015, três anos depois dos fatos que agora estão sendo apurados”, e que “está colaborando com as autoridades e prestando todas as informações solicitadas”.