Novo diretor da PF tem “toda confiança” de delegados e agentes do PR, dizem sindicatos

Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. Foto: Paraná Portal

A nomeação do delegado Fernando Segóvia para o cargo de diretor-geral da Polícia Federal (PF) agradou a cúpula dos sindicatos de delegados e agentes da PF no Paraná. Segóvia vai substituir o atual diretor-geral, Leandro Daiello, que foi alvo de reclamações das entidades sindicais durante o Governo Dilma Rousseff (PT).

Leandro Daiello estava no cargo desde 2011, nomeado na gestão do então ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e já havia manifestado interesse em deixar o cargo.

O presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia Federal no Paraná, Algacir Mikalovski, afirma que vai repassar à Federação dos Delegados as diretrizes que serão discutidas com o novo diretor, mas adianta que deposita “toda confiança” em Segóvia.

“Entendemos a necessidade de algumas mudanças, que fazem parte do serviço público, mas sempre com a questão de manter o compromisso com as investigações, com a seriedade, de inúmeras operações, entre elas a Lava Jato”, diz Mikalovski.

“Claro que essa comunicação vai melhorar ainda mais, mas temos certeza que isso vai ser bom. Essas mudanças são necessárias, mas acreditamos que o pilar da Polícia Federal não vai se abalar”, confia.

O presidente do Sindicato dos Policiais Federais do Estado do Paraná, Francisco Carlos Breus, também demonstrou apoio. “Apoia a renovação e espera que ele traga melhorias. Uma troca depois de tanto tempo é bom. A pessoa, tanto para nós do Paraná, quanto à federação, a gente apoia. Vemos com muito otimismo”, declarou Breus.

Troca de comando no PR, diz jornal

Entre as primeiras medidas, o novo diretor deve trocar o comando da PF no Paraná. Segundo relato do jornal “Valor Econômico”, Maurício Leite Valeixo vai assumir a Superintendência Regional da PF no estado, em substituição a Rosalvo Ferreira Franco, que teria pedido para se aposentar.

Valeixo já foi superintendente da PF no Paraná entre 2009 e 2011. Hoje ele é responsável pela Diretoria de Combate ao Crime Organizado (Dicor) da PF.

Críticas

Apesar do apoio do sindicato dos delegados, a Associação Nacional (ADPF) criticou a escolha do novo diretor da PF, por supostamente ter sido escolhido pelo presidente Michel Temer em uma lista tríplice não aprovada pela associação.

Segundo a ADFP, Temer ignorou a lista tríplice encabeçada pela delegada Erika Marena, integrante da Lava Jato em Curitiba, junto com os delegados Rodrigo de Melo Teixeira e Marcelo Eduardo Freitas.

Segóvia

Formado em direito pela Universidade de Brasília, Segóvia está há 22 anos na PF. Foi superintendente regional da PF no Maranhão e adido policial na África do Sul. Em boa parte de sua carreira, exerceu funções de inteligência nas fronteiras do Brasil.

Em nota, o ministro da Justiça, Torquato Jardim, faz um agradecimento pessoal e institucional a Daiello por sua “competente e admirável administração da Polícia Federal nos últimos seis anos e dez meses”.