Dispositivo projetado para adaptar cadeiras de rodas é apresentado em Curitiba

Foto: Fábio Riesemberg / Pernas Pra Que te Quero
Foto: Fábio Riesemberg / Pernas Pra Que te Quero
Redação com BandNews FM Curitiba

Para aprimorar o deslocamento de cadeirantes e possibilitar, inclusive, a participação em eventos esportivos, o Instituto “Pernas Pra Que te Quero”, de Curitiba, desenvolveu um dispositivo que apoia as duas rodas traseiras e a roda dianteira da cadeira, dando maior estabilidade e segurança. O mecanismo está exposto na 10ª edição do Reatiba, evento que discute educação, emprego e cidades mais inclusivas nesta quarta-feira (20) na Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep).

De acordo com a diretora da instituição, Rebeca Kuperstein, o extensor adapta alguns modelos de cadeira de roda sem causar danos ou prejudicar a garantia. “O dispositivo adapta as cadeiras de rodas do uso diário através de braçadeiras. A cadeira fica intacta. O seu uso possibilita andar no meio urbano com menor risco de quedas. A cadeira fica apoiada nas duas rodas traseiras e na roda do nosso dispositivo, dando estabilidade e segurança”, destaca Rebeca.

> Projeto leva crianças cadeirantes para corridas de rua em Curitiba

Segundo Rebeca, o produto foi desenvolvido após uma tentativa de corrida frustrada. Ela e amigos projetaram uma corrida de crianças cadeirantes, mas concluíram que em menos de cinco minutos, as cadeiras tradicionais viravam. “Ela vem sendo usada nos últimos dois anos em mais de sete corridas. Nós temos uma grande alegria quando percebe o que vem acontecendo ao longo do tempo”, diz a diretora do Pernas Pra Que te Quero.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

A corrida é o lazer de Vinícius, de 21 anos, que com apenas sete dias de vida adquiriu uma meningite que atingiu o córtex cerebral, afetando totalmente a locomoção motora. “Ele me ajuda muito, incentivando, nas corridas. Quando corro com ele o meu tempo diminui se comparado quando corro sozinho”, afirma o pai de Vinícius, Daniel Lemos. Vinícius testou o extensor e, segundo o pai dele, aprovou.

O produto foi desenvolvido por meio de um programa realizado pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) e pelo Sebrae, com execução da Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras (CERTI). O novo dispositivo pode ser encontrado no site pernaspraquetequero.org.

Deficiência motora

Mais de 700 mil paranaenses possuem algum tipo de deficiência motora que afeta a locomoção. Os dados fazem parte do último balanço feito pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Em 2015, mais de 20% da população curitibana declarou ter algum tipo de deficiência. 17% possuem deficiência motora e 4% física.

De acordo com dados do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), em 2014, quase 500 mil pessoas requisitaram o seguro Dpvat por invalidez. No entanto, muitos portadores encontram meios de superação, como: corridas, exercícios físicos e atividades em vias urbanas.