Grupo se organiza para cuidar de lobo-marinho em praia do PR

Foto: Colaboração / Nosso Litoral
Foto: Colaboração / Nosso Litoral
Com informações de Narley Resende

Moradores voluntários e biólogos da Universidade Federal do Paraná (UFPR) estão se revezando para cuidar do lobo-marinho que está em Guaratuba, no litoral do Paraná, após um homem tentar montar no animal. O visitante chegou à praia paranaense na última sexta-feira (1º), está descansando da viagem e não tem data para ir embora.

Homem tenta subir em lobo-marinho em praia e deixa biólogos preocupados

O lobo-marinho virou atração turística durante o fim de semana e mobilizou moradores, Polícia Ambiental e especialistas do Centro de Estudos do Mar (CEM) para proteger o animal.

“A gente está um pouco preocupado com relação ao feriado. Tiveram várias ocorrências no período noturno de molestamento do animal. Tentaram subir nele. Estamos tentando divulgar um alerta de que há uma legislação que pune esse comportamento com prisão de até dois anos. Estamos alertando, infelizmente, já que não deveria ser esse o nosso papel”, lamenta a bióloga Camila Domit, do CEM.

Foto: Divulgação / CEM

Foto: Divulgação / CEM

De acordo com a bióloga, a Polícia Ambiental não tem contingente para designar um agente exclusivamente para o monitoramento do animal. “Nós acompanhamos durante o dia e contamos com o apoio da comunidade durante a noite. Mas é muito difícil”, diz .

Depois das denúncias de molestamento, a prefeitura de Guaratuba e a comunidade cercaram um perímetro maior no arredor da praia e o trânsito de veículos da avenida beira-mar foi bloqueado no trecho. “Temos recebido muito apoio e isso é fundamental”, comemora a bióloga.

O sub-tenente Nelson Mansani, da Polícia Ambiental, afirma que ONGs tem ajudado no monitoramento da segurança. “Uma ONG se ofereceu para pagar uma empresa de segurança para acompanhar o animal o tempo todo”, conta. “Fizemos também uma parceria com o município porque não temos esquipes para deixar um lá o tempo todo, mas temos feito rondas intensivas”, garante.

O sub-tenente confirma as ocorrências de molestamento. “Houve dois fatos, de pessoa que tentaram tirar fotos, e outro que tentou montar. Mas felizmente não houve nenhum dano ao animal. As pessoas que identificarmos, por meio de foto, mesmo na rede social, vamos encaminhar notícia crime e a pessoa será conduzida”, alerta. Apesar das denúncias, ninguém foi detido até o momento.

Leia também:

> Fenômenos raros surgem no litoral e intrigam especialistas
> Análise aponta que manchas em praia de Matinhos são causadas por algas