Escola de Curitiba cria projeto para ensinar alunos a colaborar com a limpeza

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Para ensinar aos estudantes como valorizar o trabalho das profissionais que limpam os espaços da escola, a Escola Atuação, em Curitiba, criou o projeto “Cuidando dos banheiros da escola”. Cada início de mês, um grupo de alunos é designado para fazer vistorias nos banheiros após o recreio. Eles conversam com aqueles que, eventualmente, fazem bagunça ou não seguem a ideia do projeto.

“Não há nada melhor do que estudar em um ambiente agradável, limpinho e higienizado. Para isso, é necessária a participação dos alunos nesse movimento de manutenção e organização dos espaços. Acreditamos que esse gesto pode gerar um comportamento positivo no cotidiano escolar, bem como a valorização do espírito de equipe e a contenção dos materiais usados para a limpeza da escola”, explica Esther Cristina Pereira, psicopedagoga e diretora do colégio.

Todos os estudantes, do Maternal ao 9º ano, estão envolvidos nesse projeto. De acordo com a diretora, qualquer forma de participação e atitude colaborativa das crianças é motivada nesse sentido.

“O projeto foi inspirado em modelos de escolas da Europa. Nos colégios do Japão, por exemplo, os próprios alunos são responsáveis pela limpeza da sala da aula. A vassoura, pano de chão, espanador e rodo já fazem parte do dia a dia desses estudantes. Aos poucos esse trabalho está rendendo bons resultados aqui na escola, pois reforça às crianças valores como trabalho em equipe e conservação do espaço coletivo”, conta Esther.

Além da coordenação, quem fiscaliza o trabalho dos alunos é a faxineira da escola. Ela orienta a criançada e os professores sobre como limpar adequadamente cada espaço. Diariamente os estudantes fazem relatórios para registrar como encontraram os espaços e como todos podem ajudar com a limpeza do mesmo. “Eles percebem o quanto é importante que cada um faça um pouquinho para manter os banheiros limpos e passam a ajudar também em casa. Os pais nos agradecem bastante”, diz Esther.