Marcelo Odebrecht confirma pagamento de propina a Aldemir Bendine

dilma testemunha

Em resposta à acusação do Ministério Público Federal em mais um processo do qual é réu na Operação Lava Jato, o engenheiro Mar celo Odebrecht, ex-presidente do Grupo Odebrecht, admitiu que pagou R$ 3 milhões em propinas ao ex-presidente da Petrobras Aldemir Bendine para favorecer a construtora em demandas junto à Estatal.

Em petição protocolada nesta segunda-feira, a defesa de Odebrecht confirma os pagamentos, em três parcelas pagas entre junho e julho de 2015 para operadores de Bendine, para que a Petrobras atuasse juridicamente para o desbloqueio da medida cautelar que impedia a estatal de contratar a Odebrecht Óleo e Gás e para que o estaleiro Paraguaçu tivesse seus contratos mantidos com a Petrobras. “Todavia, em razão da prisão de Marcelo Odebrecht e do avançar da Operação Lava Jato, Aldemir Bendine recuou na prática dos atos de ofício em favor da Odebrecht pleo elevado risco pessoal a que estava exposto”, diz o réu colaborador, informando que todos os fatos acerca das propinas a Bendine estão esclarecidos em seu acordo de delação premiada.

“Quanto à imputação ora formulada, o peticionante esclarece que os fatos objeto da presente Ação Penal, no que lhe dizem respeito, foram esclarecidos no “Termo de Colaboração nº 36”, decorrente do “Anexo 14”, no “Termo de Colaboração nº 40”, decorrente do “Anexo 17”, no “Termo de Colaboração nº 47”, decorrente do “Anexo 22.3”, no “Termo de Colaboração nº 43”, decorrente do “Anexo 20”, e no “Termo de Colaboração nº 34”, decorrente do “Anexo 11”, todos integrantes do seu acordo de colaboração premiada firmado com a Procuradoria Geral da República e homologado pelo E. Supremo Tribunal Federal, já disponíveis a este D. Juízo”, diz a defesa de Odebrecht na petição.