Advogados dizem desconhecer negociação de Palocci por delação

antonio Palocci

Com Angelo Sfair, BandNews FM Curitiba 

O advogado José Roberto Batochio, que defende o ex-ministro Antônio Palocci, afirmou nesta terça-feira (18) que não foi informado sobre uma possível negociação de delação premiada com a força-tarefa Lava Jato no Ministério Público Federal (MPF).

Outros especialistas no instrumento da delação premiada negam envolvimento com a negociação. O criminalista Marlus Arns de Oliveira – que fechou acordos para investigados como os empresários Dalton Avancini e Eduardo Leite – afirma que não foi contratado para fazer colaboração premiada de Palocci.

De acordo com a colunista, Mônica Bergamo, da rádio BandNews FM, o ex-ministro estuda a possibilidade da delação desde outubro do ano passado.

No início deste mês, o réu teria se reunido com a força-tarefa Lava Jato na Polícia Federal em Curitiba, onde está detido. A reunião seria um dos primeiros passos para a negociação.

Os advogados que negociaram acordos para condenados como o doleiro Alberto Youssef e o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa também negam envolvimento no acordo. O escritório que fechou a delação de outro ex-diretor, Nestor Cerveró, também alega que não foi consultado por Antônio Palocci.

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) deve julgar nesta terça (18) habeas corpus que pede a libertação de Palocci, preso há seis meses. A manutenção da prisão reforçaria a hipótese de Palocci aderir à delação premiada. Palocci tem interrogatório marcado para a quinta-feira (20). Logo depois do depoimento, os juízes ouvem as alegações finais de acusação e defesa e dão a sentença.

Palocci está preso desde setembro do ano passado, quando foi preso na 35ª etapa, a Operação Omertà.

O ex-ministro é réu em duas ações penais. A primeira investiga repasses feitos a ele pela construtora Odebrecht. Na segunda, ele responde ao lado do ex-presidente Lula na investigação sobre a compra de um terreno pela empreiteira – supostamente destinada para a construção de uma nova sede para o Instituto Lula.