Defesa de Lula indica perito e ‘HD da propina’ começa a ser analisado

Reprodução / MPF

Com Juliana Goss, BandNews FM Curitiba

A perícia na planilha de propinas da Odebrecht deve iniciar nos próximos dias. Isto porque a defesa do ex-presidente Lula indicou nesta segunda-feira à noite (16) o assistente técnico que deve acompanhar o procedimento. O Ministério Público Federal fez o mesmo na semana passada.

A planilha intitulada Programa Especial Italiano faz parte dos sistemas My Web Day e Drousys, que contém registros de vantagens indevidas que teriam sido pagas pelo Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht a agentes públicos e políticos como Lula e o ex-ministro Antonio Palocci. A Polícia Federal deverá realizar a perícia em no máximo 30 dias, período estipulado pelo juiz Sérgio Moro.

A planilha integra o processo em que o ex-presidente é acusado de receber da empreiteira como propina um apartamento em São Bernardo do Campo e um terreno para a sede do Instituto Lula, que nunca foi usado. No documento constam R$ 12,4 milhões que, segundo a acusação, teriam sido destinados ao Instituto.

“Foram realizadas consultas nos arquivos extraídos da cópia fornecida do sistema Drousys, com vistas a identificar respostas positivas para a expressão (3*1057)”, que consiste na primeira parte da expressão relacionada a célula correspondente ao número “12.422”, por sua vez referente ao registro “Prédio (IL)”, constante do arquivo eletrônico da “Planilha Italiano””, afirma o MPF.

Em petição na mesma ação penal, o delegado da PF, Felipe Hayashi, solicita ao juiz Sérgio Moro que os documentos que integram os sistemas sejam entregues pela Procuradoria-Geral da República. Caso isto não seja possível e seja necessário fazer cópias dos materiais, o delegado pede que sejam adquiridos oito HDs com alta capacidade de armazenamento já que os sistemas contêm uma quantidade imensa de arquivos.

De acordo com o MPF, nos dois sistemas foram encontrados mais de um milhão de documentos entre e-mails, planilhas e comprovantes de pagamento do setor de propinas da Odebrecht.

A perícia na planilha é uma resposta a um pedido feito nas diligências complementares pela defesa do ex-presidente Lula. Além dele, também são réus neste processo o ex-ministro Antonio Palocci, o empreiteiro Marcelo Odebrecht e o empresário Glaucos da Costamarques.

Defesa

De acordo com a defesa de Lula, os imóveis apontados na ação nunca pertenceram a Lula. Segundo o advogado Cristiano Zanin Martins, os depoimentos prestados em junho ao juiz Sergio Moro pelos ex-executivos da Odebrecht e colaboradores do MPF, Hilberto Mascarenhas, Márcio Farias e Rogério Araújo, “provaram os argumentos da defesa do ex-presidente Lula no caso da rua Haberbeck Brandão”, de que “o Instituto Lula nunca teve a posse ou propriedade do imóvel”.