Defesa pede suspensão de interrogatório de Lula em Curitiba

Fernando Frazão/Agência Brasil

Os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva protocolaram, nesta quinta-feira (17), petição em que pedem ao juiz federal Sérgio Moro a suspensão do interrogatório do petista marcado para o dia 13 de setembro, em Curitiba, e outros previstos para o mesmo mês. O depoimento de Lula é relacionado ao processo em que ele é acusado de receber como propina da Odebrecht um terreno onde seria construída nova sede do Instituto Lula e um imóvel vizinho ao apartamento do petista, em São Bernardo do Campo (SP).

Segundo a defesa, o Ministério Público Federal (MPF) juntou documentos, com autorização do juiz, aos quais os advogados não tiveram acesso. Além disso, a petição questiona a autenticidade de provas. “Revela-se inadmissível que o Ministério Público Federal pretenda, neste momento, a juntada de papéis sem qualquer identificação — supostamente relativos às colaborações dos executivos do grupo Odebrecht”, diz a petição da defesa.

De acordo com os advogados, o objetivo de suspender os interrogatórios, sem fixar uma data futura, é viabilizar a realização de prova pericial. “Requer-se, ainda, sejam suspensos sine die os interrogatórios designados para o mês de setembro, a fim de que se possa viabilizar a realização de prova pericial tanto nos documentos apresentados, quanto nos dispositivos (computadores, celulares, tablets etc.)”

A defesa pede que a origem de todos os documentos juntados seja revelada, que seja “determinado ao Ministério Público Federal que indique e apresente a fonte primária dos arquivos trazidos aos autos (dispositivos de onde foram extraídos), a fim de seja realizada prova pericial nos respectivos equipamentos com o objetivo de identificar as propriedades dos documentos em tela e a perenidade dos respectivos conteúdos; e, ainda nesta hipótese cogitada a título de argumentação, (ii) seja deferida a reinquirição das testemunhas a serem indicadas pela Defesa — ou eventualmente a apresentação de novas testemunhas — a fim de que os aludidos papéis sejam submetidos ao contraditório e à ampla defesa”, diz o documento.