Moro condena Duque e executivos da Andrade Gutierrez por corrupção ativa

Renato Duque

O juiz Sérgio Moro condenou, nesta segunda-feira (21),  o ex-diretor de Serviços da Petrobras, Renato Duque, e outros quatro executivos da Andrade Gutierrez  pelos crimes de corrupção ativa e passiva. Todos são acusados de envolvimento no cartel formado por empreiteiras para fraudar licitações da Petrobras.

Duque, que já estava condenado a 40 anos de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, foi condenado a mais dez anos de reclusão, com a progressão de regime depois do cumprimento de cinco anos no regime fechado porque colaborou com a Justiça.

> Réu da Lava Jato diz a Moro que estranhou dinheiro depositado em sua conta
Moro decide manter Bendine preso

Entre os condenados estão os executivos Antônio Pedro Campello de Souza Dias, Elton Negrão de Azevedo Júnior, Flávio Gomes Machado Filho e Paulo Roberto Dalmazzo.

De acordo com a denúncia, mais de R$ 100 milhões teriam sido pagos em propinas a grupos políticos por meio do esquema.

Outros seis réus, entre eles o ex-presidente da empreiteira, Otávio Marques de Azevedo, fizeram acordos de delação premiada e tiveram os processos suspensos.

O ex-diretor da Petrobras também foi condenado a ressarcir a empreiteira em R$ 115,9 milhões por conta dos contratos fraudulentos.

“Fixo em R$ 115.919.484,00 o valor mínimo necessário para indenização dos danos decorrentes dos crimes, a serem pagos à Petrobras, o que corresponde ao montante pago em propina à Diretoria de Abastecimento e à Diretoria de Serviços e Engenharia e que, incluído como custo das obras no contrato, foi suportado pela Petrobrás. O valor deverá ser corrigido monetariamente e agregado de juros de 0,5% ao mês até o pagamento”, determinou Moro.

Leia também:

MPF defende reforma política “que barateie campanhas e desincentive relações promíscuas”
Falta de recursos levou PF a deflagrar duas fases no mesmo dia