Paulo Roberto Costa alega não ter dinheiro e pede para prestar depoimento por vídeo

Paulo Roberto Costa
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, solicitou ao juiz Sérgio Moro por meio do sistema da Justiça Federal, para prestar depoimento por videoconferência, na audiência que em que ele será testemunha.

Costa cumpre pena em regime aberto no Rio de Janeiro e alegou não ter dinheiro para ir à Curitiba participar da audiência, no dia 9 de março. Ele é testemunha de acusação em um processo contra o ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral.

Os advogados do ex-diretor alegaram que ele e a família estão com “grande dificuldade financeira” e não tem dinheiro para comprar as passagens aéreas para a capital paranaense. “Ocorre que o comparecimento do requerente, que muitas vezes já se deslocou até Curitiba, geraria um grande dispêndio em virtude dos altos valores das passagens aéreas, não tendo, o Requerente, hoje condições de arcar com essas despesas, em virtude da grave dificuldade econômica em que toda a família se encontra, somando ainda o fato, de suas contas bancárias ainda encontrarem-se bloqueadas”, alegaram.

Costa devolveu R$ 79 milhões aos cofres públicos durante a operação. O dinheiro foi destinado à Petrobras por determinação do ex-ministro Teori Zavascki.

O pedido foi protocolado na tarde de quarta-feira (15) e até às 14 horas desta quinta-feira (16), Moro não se posicionou sobre o caso.

O delator foi preso em março de 2014, conseguiu liberdade e foi preso novamente. Foi um dos principais delatores da operação e condenado por crimes como corrupção e lavagem de dinheiro.