Quinta Turma do STJ mantém ação penal contra Claudia Cruz

Foto: Reprodução / Facebook
Foto: Reprodução / Facebook

A jornalista e esposa do ex-presidente da Câmara e deputado cassado Eduardo Cunha, Claudia Cruz, sofreu uma derrota no Superior Tribunal de Justiça (STJ) nesta terça-feira (16). Por unanimidade, a Quinta Turma do STJ manteve a ação penal em que ela investigada por lavagem de dinheiro e evasão de divisas no âmbito da Operação Lava Jato, em Curitiba.

Os ministros consideraram lícita a prova encaminhada ao Brasil a partir de investigações realizadas na Suíça.

No julgamento, o relator, ministro Felix Fischer, destacou que a ação penal, que será julgada pelo juiz federal Sérgio Moro, já está na fase final. Fisher também questionou os argumentos apresentados pela defesa de Claudia Cruz que apontou irregularidades na cooperação internacional entre a Suíça e o Brasil.

Claudia Cruz pede absolvição a Moro
> MPF pede condenação de Claudia Cruz e pena em regime fechado

“Analisando os autos, constata-se que na Suíça foi instaurada investigação contra Cunha. Após trocas de informações entre os Ministérios Públicos da Suíça e do Brasil, e por considerarem que no Brasil processo teria mais êxito, houve concordância da remessa ao Brasil”, disse o ministro.

Denúncia contra Claudia Cruz

Claudia Cruz teria recebido depósitos na Suíça de conta oculta de seu marido, para distanciar o dinheiro sujo de sua origem. Para o relator, ministro Felix Fischer, há sérios indícios que embasam a denúncia de que os valores na conta da ré no exterior são frutos de crimes cometidos por Cunha. Os fatos envolvem o ex-deputado e a aquisição fraudulenta, pela Petrobras, de um campo de exploração na República de Benin, na África. Foram cinco votos contra o pedido de trancamento da ação penal.