Foragida esquece documento em casa noturna e é presa pela PF no Paraná

Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. Foto: Paraná Portal

Com Lucian Pichetti, CBN Curitiba

A Polícia Federal (PF) prendeu nesta terça-feira (6), em Guaratuba, no litoral do Paraná, a foragida Larissa Tessaro Menarin. Ela foi condenada a mais de dez anos de prisão por participar do assassinato do policial federal Edson Martins Matsunaga, durante um assalto a uma lotérica em Curitiba, em 2010.

De acordo com o chefe da Comunicação Social da PF no Paraná, Paulo Roberto Gomes da Silva, os policiais foram informados de que a foragida havia perdido um documento pessoal em uma casa noturna em Guaratuba. “Informaram por meio de uma mídia social que uma mulher teria perdido o documento. Com essa informação, eles passaram a fazer diligências no intuito de localizá-la”, explica.

“Na tarde de ontem, quando descobriram que ela estava em um condomínio, os policiais compareceram ao local e efetuaram a prisão dela, já que ela estava foragida”. Larissa foi conduzida à sede da PF em Curitiba, onde permanece à disposição da Justiça.

O policial federal Edson Martins Matsunaga, de 45 anos, foi morto com um tiro no peito ao tentar impedir o assalto à lotérica. A jovem é acusada de ter ajudado os assaltantes a fugirem. “Ela foi condenada por ajudar na fuga do pessoal que estava cometendo o roubo”, afirma Paulo Roberto.

De todos os envolvidos, somente a jovem conseguiu liberdade condicional devido a um recurso especial aceito pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) na época do crime. Um novo mandado de prisão foi expedido em 2016 e, desde então, ela era considerada foragida da Justiça.

Edson Matsunaga trabalhava na PF há 27 anos. Ele dá nome ao auditório da PF em Curitiba, onde costumam ser realizadas as coletivas de imprensa da Operação Lava Jato.