Quatro pessoas ficam feridas em explosão durante impermeabilização de sofá

Imagem ilustrativa
Imagem ilustrativa

Por William Bittar, CBN Curitiba

Em 40 dias, dois casos envolvendo explosões durante serviços de impermeabilização foram registrados em Curitiba. O uso de produtos altamente inflamáveis neste processo pode provocar acidentes graves em caso de utilização incorreta.

Nesta segunda-feira (29), quatro pessoas ficaram feridas após uma explosão em um apartamento na Vila Guaíra, em Curitiba. Um casal fazia a impermeabilização quando o acidente aconteceu. O dono do apartamento conseguiu controlar as chamas usando o extintor que ficava no corredor da casa.

O morador e o casal que fazia o serviço tiveram queimaduras. Um policial militar que atendeu a ocorrência inalou a fumaça e também precisou de atendimento médico. Todos foram encaminhados ao Hospital Evangélico.

A utilização incorreta dos produtos ou até mesmo a não ventilação de ar no local são as principais causas dos acidentes. O empresário Michael Cristian Bogo explica que existem duas opções para esse tipo de serviço: a impermeabilização à base de água ou os produtos com solventes, que são os inflamáveis.

O problema é que muitas empresas utilizam os produtos inflamáveis para dar um retorno rápido ao cliente. “O produto à base de água tende a demorar até 24 horas para secar por completo e você poder fazer uma utilização dele adequada. Com os produtos com solvente, em 15 ou 20 minutos, já é possível fazer um teste de demonstração. Com isso, você tem uma confiabilidade maior do cliente, por conta dessa possibilidade de fazer o teste”, explica.

O empresário ressalta que é importante pesquisar as empresas e optar por aquelas que trabalham com produtos à base de água. “As empresas que surgem hoje, pela facilidade e pelo valor, acabam adotando o solvente e se utilizam somente dele. Empresas que estão há mais de cinco anos no mercado tendem a ter um cuidado maior”, afirma, dizendo que empresas com mais tempo de mercado costumam ter uma presença mais sólida e evitam arriscar.

O major do Corpo de Bombeiros, Leonardo Mendes dos Santos, também dá dicas para quem vai solicitar o serviço de impermeabilização. O ideal é sempre deixar o local arejado e um extintor próximo de onde o produto será aplicado. “Durante o momento em que está sendo passado, as janelas devem estar abertas. [É preciso] criar um ambiente bastante arejado e que evite casos de explosão. Mesmo assim, as pessoas devem manter, perto, os extintores de incêndio”, alerta. “Traga o extintor e deixe ao seu lado, como forma preventiva”.

“A explosão não vai acontecer caso o produto não tenha solvente em sua composição e caso o ambiente esteja bem ventilado”, acrescenta.

O major também lembra a importância de utilizar produtos seguros. “No ponto de vista de prevenção e combate ao incêndio, a gente sempre vai optar por produtos que não ofereça risco ao cliente. Caso o cliente tenha que esperar um pouco mais para que o produto seque e seja reaplicado, nós entendemos que isso é muito melhor do que colocar o apartamento em risco. Não só o apartamento, mas todo edifício em risco e principalmente a vida de quem está aplicando o produto e quem está nas proximidades”.

“Por mais lento que seja o processo, sempre devemos optar pelo produto mais seguro”.

Além do acidente registrado nesta segunda-feira, em dezembro de 2017, duas pessoas, que sofreram o acidente ao realizar serviço em uma casa no bairro Boqueirão, ficaram em estado grave. Os homens tiveram queimaduras por todo o corpo e foram internados no Hospital Evangélico.