Secretário de Segurança Pública pode deixar cargo em breve

Foto: Divulgação / SESP
Foto: Divulgação / SESP

Por Thiago Machado, Metro Curitiba

As associações de policiais militares aguardavam para ontem (24) uma decisão do governador Beto Richa (PSDB) sobre a destituição do secretário de segurança Wagner Mesquita do cargo. Na terça-feira (23), uma reunião de Richa com as cúpulas das Polícia Militar e da Civil debateu a possível troca.

“O governador encerrou a reunião dizendo que em breve terá uma decisão. Esperamos que a situação seja resolvida logo”, disse, ontem, o presidente da Associação dos Oficiais Policiais e Bombeiros Militares do Estado do Paraná (Assofepar), Coronel Izaías de Farias.

Na semana passada, representantes de nove associações militares enviaram ao governador uma carta pedindo a troca do comando. A pressão pareceu ganhar força na terça, quando Richa deu entrevista e fez críticas duras à Sesp, aumentando a expectativa entre os militares.

Na ocasião, o governador declarou “não aceitar no governo” uma situação como a do corpo de um jovem de 18 anos, vítima de assalto, que passou 13 horas na rua até ser recolhido pelo IML. “Se estivesse faltando dinheiro, infraestrutura, rabecão para esse corpo, vá lá, mas não era o caso”, falou.

Ontem, em um comunicado aos associados, a Assofepar, reafirmou o pedido pela substituição “espera-se que o Governador do Estado realize as mudanças necessárias no menor espaço de tempo possível”.

Apoiadores Mesquita, no entanto, também tem seus defensores. A Associação dos Delegados de Polícia do Paraná (Adepol), soltou nesta semana nota negando que ele estaria privilegiando a Polícia Civil na distribuição de verbas da Secretaria de Segurança – uma das críticas da PM a sua gestão.

A Adepol, no entanto, disse ‘não tomar partido’ no embate entre Mesquita e os oficiais da PM. Semana passada, o Sindicato dos Delegados de Polícia do Paraná também emitiu nota, afirmando que o secretário mantém “postura transparente, tratamento respeitoso e igualitário”.

Fora do cargo

Nesta semana, Mesquita deixou no cargo o diretor-geral da Sesp, Francisco José Batista da Costa, para retornar no dia 28. A autorização para sua saída foi publicada no diário oficial do dia 18. Ao Metro Jornal ele disse na terça-feira que prefere não comentar os rumores da sua substituição, mas que está disposto a continuar no comando da pasta.

Entre os oficiais da PM já circulam nomes para assumir a pasta: são eles o do Coronel Maurício Tortato, atual Comandante Geral da PM e de Júlio dos Reis Delegado-Geral da Polícia Civil.

As sugestões já chegaram ao governador. Os militares também querem que o próximo secretário seja paranaense – Mesquita é do Rio de Janeiro